A pressa vale o preço?

0
2



Com suas diferenças, tanto o financiamento, como o consórcio apresentam motivos para o consumidor recorrer a cada um deles. Mas, é muito comum a dúvida sobre qual vale mais a pena. Para Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da Associação Brasileira de Administradora de Consórcio, Abac, em primeiro lugar, deve-se analisar o perfil do consumidor que opta por cada uma das opções. Ele explica que, no consórcio, o perfil é de um poupador, que faz planejamento financeiro para adquirir bens sem pagar taxas de juros, o que torna o custo menor. Já os consumidores que optam por financiamento, são os que têm a pressa para receber o bem ou serviço desejado, arcando com os custos d ´urgência´. “Por se tratar de produtos diferentes, o consumidor deve analisar sua necessidade imediata ou não do bem ou serviço desejado, bem como as peculiaridades de cada um e avaliar qual deles melhor atende suas necessidades”, afirma o executivo.



Considerando a compra de um imóvel, quando a pessoa não tem o valor para a entrada e tem a possibilidade de esperar, pode recorrer ao consórcio aproveitando dos valores mais baixos, segundo Miguel José Ribeiro de Oliveira, vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade, Anefac. “Ele é indicado, também, para quem já possui um imóvel financiado e, portanto, não conseguiria fazer outro financiamento; para jovens que moram com os pais e com isso estariam adquirindo a compra de seu imóvel futuro para depois ter sua independência ou para quem busca um imóvel para investir”, completa.



Apesar das diferenças, o mercado está aquecido para as duas modalidades devido o maior pode de consumo das classes B, C e D, segundo Eduardo Coutinho, professor de finanças do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais, Ibmec. No entanto, ele acredita que o financiamento ainda é o mais procurado. “Dada a facilidade de se fazer compras no comércio mediante financiamento”, justifica. O professor da Fecap e coordenador do núcleo de pesquisa da IFECAP, Eric Brasil, atribui essa maior procura à pressa do consumidor e à falta de conhecimento sobre os consórcios. Ele destaca a importância de fazer pesquisas em administradoras e instituições sobre cada uma das opções, e analisar a questão do custo e o tempo disponível para espera. “Ou seja, se consumidor pode esperar um pouco mais para usufruir o bem, consórcios costumam ser mais vantajosos. Por outro lado, se ele possui mais recursos disponíveis e tem pressa, financiamento é uma melhor opção”, conclui.






E na sua opinião, qual vale mais a pena, consórcio ou financiamento? Deixe a sua opinião na enquete do portal Crédito e Cobrança.





Confira as matérias exclusivas do especial:


Diferença entre consórcio e financiamento é só uma questão de prazo para entrega do bem, segundo VP da Anefac

 




Custo deve ser o primeiro fator a ser levado em conta na comparação entre consórcio e financiamento

 




Consumidor deve avaliar a necessidade de imediatismo para optar por modalidade de parcelamento

 





No lugar de recorrer a parcelamentos, consumidor deve juntar dinheiro para comprar à vista







Diretor da Racon destaca taxas mais baixas do consórcio em relação ao financiamento






DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorResponsabilidade social comprovada!
Próximo artigoO ganho da reconquista