A um passo de cair no vermelho

0
4



A pontualidade de pagamento das micro e pequenas empresas subiu de 95% em março para 95,3% em abril de 2012, o que significa que a cada 1.000 pagamentos realizados, 953 foram quitados à vista ou com atraso máximo de sete dias, segundo pesquisa da Serasa Experian. Mas nem sempre a situação é favorável assim. Às vezes o pior acontece: o empresário se depara com as contas no vermelho e a empresa entra em crise. O que fazer nessa hora?

 

Tendo em vista a relação emocional e pessoal que o empresário tem com seu negócio, uma solução pode estar na contratação de uma consultoria especializada que irá avaliar toda a situação e planejar formas de resolver o problema agindo com imparcialidade. “Quando se descobre um mal estar, a primeira coisa a fazer é procurar um médico. Da mesma forma, quando uma empresa se vê em uma situação difícil, é preciso, antes de tudo, fazer um diagnóstico da situação e isso vai permitir tomar as medidas mais eficazes, sem mais perda de recursos para a organização”, aponta José Luis López Córtes, diretor geral da ActionCoach Brasil.

 

Monitorar os custos, o planejamento do capital de giro e apostar apenas em projetos com bom potencial de risco x retorno, também são ações fundamentais para não perder o controle, garante Richard Rytenban, especialista em investimentos, economia e professor de finanças. “Além de otimizar os custos e renegociar dívidas, um dos pontos mais importantes é desenvolver um plano que permita à empresa voltar a ser lucrativa se for este o caso, ou em outra situação comum, diminuir o ciclo financeiro para reduzir a necessidade de capital de giro”, orienta.

 

Outro fator importante é estar atento aos processos das empresas. “Essas operações geram um ciclo: compra, vende, paga e recebe – e, neste caso, a empresa precisa comprar com um prazo maior para que não haja um problemas com fluxo de caixa”, explica Braulino José dos Santos, consultor da Contmatic Phoenix.

 

Em 2009, por exemplo, a empresa Expansão Prestação de Serviços enfrentou uma crise com caixa em decadência mensal, chegando a contrair uma dívida de R$ 95 mil. “O primeiro passo foi fazer um mapeamento dos processos operacionais e financeiros. A partir daí percebeu-se que perdemos grandes oportunidades na operação e também que a falta de um planejamento financeiro e um controle do fluxo de caixa estava matando o negócio”, relembra Leonardo Silva Leandro, diretor da companhia. Depois de implementar novos métodos de gestão, a Expansão conseguiu não só se reerguer como aumentou o lucro em R$ 50 mil  e conquistou novos clientes.

 

Estar “no vermelho”, no entanto, não é sinônimo de quebra, se a situação for estrategicamente contornada. “Quase sempre existe uma saída para alcançar a saúde financeira da empresa. Com atitude, disciplina e perseverança tudo é possível”, garante Reinaldo Domingos, educador financeiro e presidente da DSOP Educação Financeira.

 

Veja as matérias produzidas com exclusividade sobre o assunto:
Identifique o caminho certo
Uma decisão ou percepção errada pode significar o fim da empresa

 

Controlar prazos é essencial para o sucesso
Como as operações são cíclicas, acompanhá-las pode gerar saúde financeira à empresa

 

Quando os tributos atrapalham o planejamento
O que fazer se a empresa está com saldo negativo por conta dos passivos tributários?

 

Virando a mesa para escapar da falência
Empresa dá a volta por cima e soma R$ 50 mil aos lucros

 

Criatividade transformada em lucro
A história do motociclista que fez a mistura paixão e negócios dar certo

 

Uma dívida que puxa outra
Como a empresa pode fugir do efeito bola de neve?

 

Quando a dívida é sinônimo de crescimento
Investir na empresa pode deixar o caixa no vermelho, mas garante o breve retorno

 

E confira como está o mercado, as estatísticas de inadimplência e assuntos relacionados a pagamentos:
Em favor da pontualidade no pagamento
Reduções dos juros e medidas do governo colaboram com manutenção das contas em dia

 

Mantendo o negócio nos trilhos
Dicas para evitar que as contas fiquem negativas

 

Inadimplência das empresas continua alta
Dívidas dos consumidores mantém tendência de queda gradual no semestre

 

Dívidas das empresas caem 7% em fevereiro
Redução dos juros e dos dias úteis contribuiu para queda da inadimplência, diz Serasa

 

Inadimplência tem alta de 4,4% em janeiro
Juros altos e baixo desempenho das vendas no Natal impactaram as empresas