Clique no banner e vote na fera que te representa!
Clique no banner e vote na fera que te representa!

O canal para quem respira cliente.

Agora é necessidade!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
O cartão de crédito se tornou importante na vida de muitas pessoas com baixa renda, que começaram a ver utilidade nesse meio como uma forma de facilitar as compras. Isso graças aos estabelecimentos que começaram a aceitar essa modalidade de pagamento, inclusive em valores baixos, contribuindo para a necessidade do consumidor em adquirir.  “Essa tem sido a grande mudança do ponto de vista do mercado, pois ampliou o público portador de cartão. Em minha opinião, é um público que estava recorrendo ao carnê, e começou a entrar no mundo do cartão, que é muito mais cômodo para o consumidor, principalmente quem tem uma renda baixa e vai comprar tickets baixos”, explica Wanderval Alencar, diretor executivo da CSU CardSystem.
O executivo atribui essa expansão do uso de cartões de crédito à regionalização, que levou os cartões para vários lugares do Brasil, deixando de ser apenas uma necessidade urbana das principais capitais. “Hoje os cartões saíram do eixo Rio-São Paulo, e isso veio muito do varejo. Você tem varejos muito grandes fora das capitais e que acabaram sendo emissores de cartões diretamente ou associados aos bancos. Antigamente o cartão era algo essencialmente urbano e agora vem se consolidando no Brasil inteiro”, declara Alencar.
A partir do momento que o cartão começa a ser bem aceito em vários setores e em vários lugares, é possível observar o crescimento e muitas evoluções no setor. “O que vai vir no futuro, como pagamento por celular, por exemplo, vai ajudar porque todo mundo tem celular e a transação é confiável. Se parar para pensar, o cartão é um serviço financeiro que vai se ampliando. Hoje você tem a opção de pagar conta de luz ou telefone com o cartão de crédito. O cartão se tornou hábito, então cada vez cresce mais, e é a melhor maneira de pulverizar crédito para uma pessoa física”, conclui Alencar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima