Aumento na demanda

0
12

A procura das empresas por crédito aumentou 0,4% em novembro, em relação a outubro, a informação é do Indicador Serasa Experian de Demanda das Empresas por Crédito. Já com relação ao mesmo mês do ano anterior, houve alta de 0,3%. No acumulado do ano, isto é, de janeiro a novembro de 2015, a busca das empresas por crédito caiu 1,7% frente ao mesmo período de 2014. De acordo com os economistas da Serasa Experian, a alta da procura por crédito em novembro é reflexo do momento em que as empresas se preparam para as vendas de final de ano.

A alta da procura empresarial por crédito em novembro foi determinada pelo avanço de 0,7% observado nas grandes empresas. Nas médias empresas a alta foi de 0,2% e nas micro e pequenas empresas a elevação da demanda foi de 0,4%.

No acumulado de janeiro a novembro, as maiores quedas na procura empresarial por crédito concentram-se nas médias empresas, 19,2% a menos que no período de janeiro a novembro de 2014, e nas grandes empresas, recuo de 14,1%. Nas micro e pequenas empresas, a busca por crédito caiu 0,5% no acumulado de 2015 frente ao mesmo período do ano passado.

Dos setores econômicos pesquisados, apenas o setor de serviços registrou aumento na demanda em novembro, com alta de 4,1% frente a outubro.  Já nos setores comercial e industrial, houve recuos de 1,6% e de 5,5%, respectivamente.

Em relação aos primeiros onze meses do ano passado, o setor de serviços registra aumento de 0,5%, na demanda por crédito. Na indústria, a queda acumulada neste ano até novembro foi de 7,7% e no comércio a retração no acumulado do ano foi de 2,1% frente ao mesmo período do ano passado.

Apenas a região sudeste acusou retração na procura por crédito por parte de suas empresas em novembro, houve queda de 5,3% frente ao mês de outubro. No Nordeste, a alta foi de 14,5%, no Sul foi de 5,5%, no Norte de 2,2% e no Centro-Oeste foi de 0,2%.

No acumulado anual, houve alta na procura por crédito empresarial apenas na região Norte, com elevação de 1,2% perante 2014. Nas demais regiões do país, as quedas foram de 4,5% no Nordeste, 3,4% no Sudeste, 3,4% no Centro-Oeste e 0,2% no Sul.