O canal para quem respira cliente.

Cobranças mais automatizadas

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

A tecnologia cada vez mais tem grande espaço nas ações de recuperação de crédito, no entanto, muitas empresas ainda não adotam as práticas recentes que podem proporcionar bons resultados, como por exemplo, a URA reserva com Text to Speech, segundo Carlos Henrique Mencaci, presidente da Total IP. “Ao fazer uma campanha de cobrança, com discadores, a ligação é entregue a uma URA e essa identifica-se ao devedor perguntando se ele é de fato a pessoa procurada. Se for, imediatamente a pessoa será encaminhada para a operação, caso contrário, será solicitado a anotar um recado e, por fim, se realmente não conhecer a pessoa em questão,  deverá digitar 3, pois, com isso, limpará a base de dados”, explica o executivo. O aumento de produtividade com o uso desta tecnologia é de aproximadamente 35%, crescimento considerado valioso pelo executivo. Além disso, o recurso reduz custos da operação de cobrança e viabiliza as atuais margens do mercado. 
Segundo o presidente, este recurso já está sendo utilizado em diversas carteiras e isso deve aumentar, perdendo a necessidade de uma pessoa física para entrar em contato. “A tendência é generalizar-se para todos os tipos de cobrança, conforme os salários subirem e as pessoas interessadas em trabalhar na atividade ficarem mais escassas”, declara Mencaci. Entre as mudanças nas operações com a utilização do recurso, é os funcionários não precisarem ligar para todos os contatos. “A principal mudança é o fato dos atendentes só falarem com as pessoas que de fato estiverem em dívidas e serem capazes de gerar um resultado positivo”, afirma.  
O presidente declara que as URA’s com reconhecimento de voz e capazes de negociar automaticamente com os clientes será o próximo passo. Segundo ele, apesar de já existir, este é um recurso que exige cuidado no contato com o cliente. “Imagina um devedor receber a informação de uma máquina, do total de sua dívida, e esta negociar para ele. A tecnologia já está disponível, mas o trabalho dos processos envolvidos precisa ser feito com carinho, para não ter resistência por parte dos devedores”, conclui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima