Como capacitar?

0
18
As empresas têm apostado cada vez mais em jovens talentos. No segmento de cobrança, a história não poderia ser diferente. Com ânsia de aprender e crescer dentro da empresa, a nova geração tem se destacado nesse mercado, provando que tem capacidade de promover um bom atendimento. No entanto, para Marli Miyake, gerente administrativa do Grupo KSL, o grande desafio para essas instituições, hoje, é o desenvolvimento desses jovens como profissionais. “A maior dificuldade é desenvolver nestes novos profissionais o perfil esperado no mercado atual, que hoje é muito competitivo quanto às habilidades, mas também capacitá-los como pessoas as quais farão a diferença como cidadãos”, afirma.
Por isso, para auxiliar na melhora do perfil profissional dessa nova geração, as empresas buscam realizar treinamento que mostre ao jovem como se portar, como representar a marca a qual atua e, principalmente, como tratar o cliente. “Temos uma equipe a ministrar treinamentos e reciclagem de uma forma prática, ou seja, um laboratório onde ocorrem simulações de atendimentos para que possamos trazer bem próximo de como será o dia a dia desses jovens”, comenta Marli.
Segundo Ana Paula Zaqueu, analista de RH do Grupo KSL, além da parte técnica, é preciso investir também no treinamento comportamental e motivacional, e é essencial desafiar esses jovens em suas rotinas diárias, incentivando-os a construir uma carreira bem sucedida na empresa, como aconteceu com ela. “Eu iniciei minha carreira na KSL ainda menor de idade na equipe de cobrança, e hoje passei a atuar na área de Recursos Humanos.”
Além disso, por saberem que esses jovens têm grande necessidade de receber retorno pelo seu trabalho, as empresas também investem em coaching especializado para os líderes. Segundo Marli, através desse processo, são discutidas as melhores práticas de feedback, baseadas em ferramentas onde se leva em consideração os diversos tipos de personalidades existentes. “Cada feedback é direcionado às características do colaborador. Seja na cobrança, vendas ou em todos os ramos que estes jovens atuam, o feedback é feito constantemente, formalmente e às vezes informalmente no dia a dia mesmo”, explica.