Consumidor menos confiante

0
4
O consumidor brasileiro está menos confiante com relação às suas finanças pessoais, segundo pesquisa da Boa Vista Serviços SCPC. Durante coletiva de imprensa on-line, realizada hoje (17), a empresa divulgou resultados da Pesquisa Perfil do Inadimplente – 2º Trimestre 2014, que tem como objetivo analisar as causas da inadimplência, as formas de pagamento utilizadas, a intenção de pagamento e o nível de endividamento dos consumidores.
De acordo com a pesquisa, em comparação com o 1º trimestre de 2014, houve queda da porcentagem dos consumidores que afirmaram que pretendem pagar a dívida à vista. Houve ainda aumento de 3% dos consumidores que vão precisar parcelar, além de aumento de 4% entre aqueles que alegam estar muito endividados. A principal causa para essa inadimplência, segundo Fernando Cosenza, diretor de sustentabilidade da Boa Vista Serviços, ainda é o desemprego, apesar de acreditar que ainda falta planejamento financeiro entre os brasileiros. “Esse é o grande vilão da inadimplência. Os brasileiros muitas vezes não têm poupanças de emergência para se enfrentar situação de imprevisto”, explica.
Dados da pesquisa revelam também que a maior dos inadimplentes se concentra na classe C, com 54%, seguido pela classe B, que tem 39% de inadimplentes. Além disso, as principais dívidas se concentram nos cartões de crédito, com 29% e os carnês e boletos, com 28%. Dos entrevistados, 36% afirmam que houve aumento nas dívidas, o que reforça a falta de confiança do consumidor. O motivo disso, segundo a pesquisa, está ligado principalmente ao aumento das taxas de juros, pressão maior dos compromissos domésticos, inflação e restrição ao crédito. No entanto, 90% dos consumidores acreditam que no ano que vem, as finanças estarão melhores.
De acordo com Flávio Calife, economista da Boa Vista Serviços, no entanto, apesar da queda na confiança do consumidor, nos próximos meses, a inadimplência não deve apresentar aumento significativo. “Neste 2º semestre houve elevação de 2,8% do número de novas dívidas, comparado com o 1º semestre de 2013, quando houve queda de 2,2%. Em 2013 houve um resultado positivo de queda, mas em 2014, apesar da inadimplência apresentar elevação, será pouco significativo”, explica.
PERFIL ETÁRIO DA INADIMPLÊNCIA

Dados da Boa Vista Serviços apontaram também que a inadimplência entre os jovens tem apresentado recuo, enquanto os adultos, com faixa etária entre 30 a 35 anos, tem se apresentado mais endividados. Segundo Cosenza, por terem menos compromissos fixos, os jovens, quando estão inadimplentes, conseguem se livrar mais facilmente de uma dívida. “Durante um momento de aperto, o jovem consegue “jogar” de uma forma mais efetiva do que os mais adultos que tem menos flexibilidade”, comenta.