Clique no banner e vote na fera que te representa!
Clique no banner e vote na fera que te representa!

O canal para quem respira cliente.

Crédito em queda

De acordo com o Indicador Serasa Experian da Demanda do Consumidor por Crédito, a quantidade de pessoas que buscou crédito recuou 12,2% em abril de 2015 frente ao mês de março. Também na comparação interanual, isto é, com relação a abril/14, houve retração de 0,5% na busca do consumidor por crédito. Ou seja, foi uma retração dupla: na comparação com o mês imediatamente anterior (mar/15) e na relação com abril do ano passado. Contudo, no acumulado do ano (janeiro a abril), a demanda do consumidor por crédito ainda registra avanço de 4,3% frente ao primeiro quadrimestre de 2014.
De acordo com os economistas da Serasa Experian, a crescente escalada das taxas de juros dos empréstimos/financiamentos, a queda da renda real por conta da inflação mais elevada e o baixo grau de confiança do consumidor estão impactando negativamente a disposição do brasileiro em assumir novas dívidas, afastando-se do crédito.
A demanda do consumidor por crédito caiu de maneira muito semelhante, no mês de abril, em todas as faixas de renda. Para os consumidores que ganham até R$ 500 por mês, a retração da demanda por crédito foi de 12,0% em abril. Para os consumidores que recebem entre R$ 1.000 e R$ 2.000 mensais, o recuo foi de 12,3%. Já para todas as demais faixas de rendimentos mensais, a queda da demanda por crédito em abril/15 foi de 12,2%.
Todas as regiões geográficas do país registraram retrações das demandas dos seus consumidores por crédito em abril/15. A maior delas ocorreu no Nordeste com queda de 12,6% frente a março/15. No Norte o recuo foi de 12,4% e o Sudeste de 12,3%. Na Região Sul a queda em abril/15 foi de 11,9% e no Centro-Oeste de 11,6%. Na comparação com o primeiro quadrimestre de 2014, todas as regiões registraram avanço da demanda dos seus consumidores por crédito neste primeiro quadrimestre de 2015: 14,9% no Centro-Oeste; 10,7% no Norte; 5,0% no Nordeste; 3,5% no Sul e 1,9% no Sudeste.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima