Esse ainda dá para pagar?

0
3
Apesar de já existir há mais de 50 anos, o consórcio vem nos últimos anos se destacando como um forte concorrente do financiamento, principalmente na atual conjuntura econômica, por oferecer melhores condições de pagamento aos clientes – como isenção de juros, taxas mais baratas, maior número de parcelas e diversas modalidades para uso da carta de crédito. Além do fator financeiro, outro diferencial que pesa bastante na hora da escolha é a área de abrangência que ele cobre, que vai do tradicional (imóvel e veículo) até faculdade, saúde e bem-estar, eletro e eletrônicos. Isso faz com que ele seja responsável pela movimentação de cerca de R$ 80 bilhões de negócios. “Com a economia instável e a elevação da Selic a 12,75%, os juros estão cada vez mais altos e mais restritos. Assim, há uma maior exigência para a liberação de crédito no mercado, de modo que o consórcio se posiciona como a forma de economia mais próxima do ideal, porque funciona como uma poupança programada para os clientes”, explica Rafael Boldo, gerente de consórcio da Porto Seguro.
Aliás, consumo consciente e planejamento são palavras-chave tanto do consumidor atual, que possui mais acesso a informação e já vai preparado para a compra, quanto do consorciado, pois ele poupa seu dinheiro já com um objetivo definido. Para Edna Honorato, diretora do Consórcio Luiza, a característica comum dos consorciados é o ato de poupar, já que os clientes são de todas as classes sociais e buscam todos os tipos de fins – inclusive investidores que desejam ampliar seu patrimônio em determinado período de tempo.
Claro que, como todo negócio, é primordial fazer o cliente se sentir exclusivo e manter um elo de comunicação além do tradicional (como redes sociais, por exemplo), a fim de atendê-lo a qualquer tempo, independente do local e formato. “O principal desafio é entender necessidade e expectativa do cliente, para que ele tenha o que deseja, é fundamental informar sobre as particularidades dos segmentos, falar da compra planejada, das opções de lance, do que pode ser feito com a sua carta de crédito”, pontua Rogério Pereira Dutra, diretor comercial da Embracon.
Assim, o contato direto com o cliente, permitindo conhecer melhor o perfil do consorciado, além da flexibilidade na contratação do serviço e maior número de parcelas também fazem com que a inadimplência não seja um grande problema no setor. Alexandre Luis dos Santos, diretor presidente da BB Consórcios, explica que existem duas fases da inadimplência e como ambas contribuem para que o setor não sofra: “Na primeira, o cliente é apenas poupador, ou seja, não é passível de inadimplir perante o grupo. Já a segunda é marcada pela sua contemplação e aquisição do bem, no entanto existem mecanismos que mitigam essa exposição, a exemplo do seguro quebra de garantia.” Por isso, Adriana Cássia Zandoná França, gerente de desenvolvimento de negócios do Sicredi, diz que somente após entender o perfil do consorciado é que a equipe oferece a solução financeira mais adequada.
Com tantos pontos positivos, fica difícil manter os pés no chão quanto a possibilidade de continuar usufruindo do poder de consumo de uma forma segura. Mas Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da ABAC (Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios), é realista – sem perder o otimismo. “Resumindo, o cenário, nada animador, tem provocado reavaliação permanente do mercado por parte das administradoras de consórcios na intenção de minimizar retração nos negócios consorciais. a confiança na retomada sempre existe, especialmente quando nos lembramos que os consórcios existem há mais de 50 anos e vários outros planos econômicos foram vivenciados e ultrapassados”, conclui.
Qual a vantagem do consórcio na atual situação econômica? Deixe a sua opinião na enquete do Portal Crédito e Cobrança.

Leia também as matérias exclusivas do especial:

Consórcios podem ajudar a manter o poder de compra do brasileiro
Com atendimento personalizado, consórcio tem baixa inadimplência e deve seguir crescendo
A experiência do setor de consórcios é essencial na atual conjuntura econômica
Observar as mudanças econômicas e adequar o consórcio a realidade do cliente é uma boa pedida
Com isenção de juros e taxas menores, consórcio abarca diversos segmentos
Com opções para diferentes perfis de clientes, consórcio oferece segurança em tempos de crise

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNo centro da Johnson & Johnson
Próximo artigoO risco da atividade?