Meu nome, meu patrimônio

0
3
Qualquer pessoa pode vir a enfrentar problemas financeiros, em algum momento da vida. A corda no pescoço aperta, e as dívidas aparecem. No entanto, problemas na justiça por causa desses débitos em atraso, nenhum consumidor quer enfrentar. E é aí que o protesto dos títulos entra como ferramenta na recuperação de crédito. Segundo Reginaldo Diniz, diretor de operações da Paschoalotto, à medida que citações ou intimações carregam uma carga de maior importância e relevância, as pessoas não querem ter assuntos especificamente jurídicos a tratar. “No Brasil, o maior patrimônio do cidadão na figura de consumidor é o seu nome. Os devedores tendem a negociar para que possam, não só resolver a situação, mas o que chamamos comumente de regularizar o seu ´nome´”, comenta.
Para Fernando Nascimento, gestor jurídico da Paschoalotto, além de querer evitar o famoso ´nome sujo´, as implicações que vem com o nome protestado, também incentivam o consumidor a acertar suas dívidas. “O protesto constará em consultas realizadas pelos órgãos de proteção ao crédito, fazendo com que o devedor seja compelido a regularizar a pendência financeira negociando a divida para recuperação do credito”, diz.
Durante este tipo de processo, segundo Fábio Sayão, gerente jurídico da Paschoalotto, há sempre uma situação de desconforto por parte do devedor. No entanto, é algo de praxe que ocorre em cobrança, já que é uma das exigências de todas as contratantes. “Invariavelmente ocorrerá algum tipo de desgaste momentâneo, mas o mesmo devedor também sabe que é um instrumento de exercício do direito do credor na intenção de buscar a recuperação do crédito”, explica. 
Além disso, de acordo com Andrea Flores, gerente de operações da Paschoalotto, a ação de protesto de uma dívida não compromete o relacionamento com o cliente, pois é de senso comum que é um instrumento para que o credor possa acionar o devedor como uma das etapas de negociação e recuperação do crédito. “O protesto é uma ação com respaldo legal que só é utilizada a medida que todas as outras tentativas de acordo na esfera amigável não obtiveram êxito”, ressalta.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorÉ bom correr riscos, sim!
Próximo artigoComputadores em crise?