Parcelamento possível

0
3
Antes da popularização dos financiamentos, que se deu com o incentivo governamental ao aumentar o poder de compra dos brasileiros, realizar o sonho da casa ou carro próprio não parecia tão fácil. Apesar desse quadro, sempre existiram os consórcios que, aos poucos, foram conquistando cada vez mais adeptos e alcançaram a popularidade devido à restrição de crédito enfrentada pelo País, já que ele é uma opção de compra para quem planeja o futuro e quer fugir dos juros e altas taxas – principalmente na atual conjuntura econômica -, conforme explica Rogério Pereira Dutra, diretor comercial da Embracon. “Podemos dizer que com o aumento do poder de compra do brasileiro médio, o mercado de consórcio expandiu muito nos últimos anos, e agora com o aumento das taxas de juros o consórcio se consolidou como opção viável e barata para os consumidores”, ilustra o diretor.
Entretanto, isso não significa que não existam desafios a ser enfrentados, como o de continuar crescendo de forma planejada e estruturada, além do risco de descumprimento do pagamento.  “A inadimplência pode existir por vários motivos, sejam esses os chamados de força maior, como situações financeiras e ou problemas familiares, mas ainda sim o número geral é baixo”, comenta Dutra.
Para isso, o diretor ensina que é importante conhecer o cliente em potencial, explicando para ele as particularidades dos segmentos, falar sobre a compra planejada, opções de lance, o que pode ser feito com a carta de crédito, entre outros tópicos contratuais, pois isso gera uma relação transparente entre a empresa e o cliente. Além disso, essas explicações ajudam o consumidor a adequar suas expectativas e planejamento à realidade de compra e possibilidades oferecidas pelo consórcio. “Conhecendo o perfil,  podemos atendê-lo melhor e estreitar o relacionamento, dando a ele um atendimento exclusivo e de melhor qualidade”, conclui o diretor.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVocalcom recebe prêmio na Alemanha
Próximo artigoAcordei na Dinamarca