Por que mudanças no Cadastro Positivo beneficiam consumidor?

0
3
Autores: Dirceu Gardel e Pablo Nemirovsky
O Cadastro Positivo, banco de dados com informações de adimplemento para formação de histórico de crédito, foi implantado com a expectativa de que reduzisse o risco de crédito por operação, trazendo redução dos custos do crédito, beneficiando principalmente os bons pagadores de baixa renda e a população não bancarizada. No modelo atual, os credores enxergam apenas os débitos, deixando de considerar a pontualidade de pagamentos. No entanto, o Cadastro Positivo ainda não colheu os benefícios, tendo encontrado muitas dificuldades na sua efetiva implementação.
O Projeto de Lei Complementar – PLP 441/2017, atualmente na Câmara dos Deputados, propõe alterar a legislação vigente, corrigindo os obstáculos que inibem o pleno funcionamento do Cadastro Positivo. Entre as mudanças mais relevantes, estão a alteração do sistema de opt in para opt out para a pontuação de crédito, e o fim da responsabilidade solidária entre fonte, gestor de banco de dados e consulente.
Os opositores das mudanças propostas alegam que o texto viola o artigo 43 do Código de Defesa do Consumidor, elimina a livre determinação do consumidor, traz risco de invasão de privacidade porque altera a lei do sigilo bancário, e enfraquece o consumidor com o fim da responsabilidade solidária. Uma análise mais apurada mostra que os alegados riscos não são como se apresentam e que os benefícios ao consumidor e à economia são enormes.
Além do consumidor ser comunicado da abertura do cadastro em até 30 dias, as informações serão disponibilizadas para consulta apenas 60 dias após a abertura. Os direitos do consumidor realizar o opt out, efetuar a autoconsulta gratuita, a retificação de informações, entre outros, serão mantidos.
Aberto o cadastro, os consulentes terão acesso apenas ao score. Os detalhes do histórico de crédito ainda dependem de autorização do consumidor.
O temor de aumento no risco à invasão de privacidade também não se justifica, pois o histórico positivo não abrange saldo, limites de crédito ou investimentos, apenas as informações de operações de crédito contratadas. Além disso, os gestores que operam o cadastro passam por rigorosas exigências, como patrimônio líquido mínimo e certificações que garantem o sigilo e a proteção de dados; e os consulentes se responsabilizam por utilizar as informações apenas para análise de risco de crédito do consumidor com o qual pretendam manter relação comercial.
O fim da responsabilidade solidária fortalece todo o sistema, uma vez que cada participante terá que garantir sua própria conduta sem beneficiar-se da possibilidade de que outro venha a arcar com eventual prejuízo financeiro, aumentando a solidez do sistema, e mantendo o direito de indenização ao consumidor por quem causou o dano.
Ou seja, além dos benefícios para a economia, com a redução do spread bancário e o crescimento do PIB, o consumidor terá muitos ganhos com o Cadastro Positivo: análise dos pagamentos efetuados na avaliação de crédito, inclusão de consumidores no mercado de crédito, juros mais adequados a seu perfil e prevenção ao superendividamento.
Dirceu Gardel é diretor jurídico e Pablo Nemirovsky é superintendente de serviços ao consumidor da Boa Vista SCPC.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAlgar Tech fecha com Genesys
Próximo artigoBancos rumo à inovação