Recurso verde

0
1
A situação macroeconômica do País não poupou ninguém dos seus reajustes. Nisto, alguns setores saíram mais prejudicados que outros. Um deles é o segmento de crédito rural, que sofreu elevação de taxa de juros de 6,5% para 9%, parece que vai ter um ano difícil pela frente, correndo o risco de já prejudicar 2016 – visto que o ano safra começa em julho. Entretanto, o real impacto só poderá ser mensurado quando as novas regras do Plano Safra 2015/2016 forem divulgadas. A princípio, a perspectiva é de que o setor receba a mesma quantidade de recursos que a safra vigente, em razão do baixo crescimento das principais fontes de recursos direcionadas ao crédito rural.
“O principal desafio do crédito rural é buscar novos mecanismos/fontes de financiamento para que o agronegócio possa continuar crescendo e impulsionando a economia do país”, apresenta Antônio Sidnei Senger, superintendente de crédito rural do banco cooperativo Sicredi. Observando os últimos anos, onde o crédito rural teve um crescimento estável e significativo, talvez a preocupação não precise ser tão grande quanto a dos outros setores.
Um dos principais motivos é o fato da inadimplência desta modalidade de crédito ser muito baixa – já que todos os produtores buscam honrar seus compromissos para garantir o crédito do ano que vem – e, quando acontece, de fácil renegociação. Portanto, a tendência, a curto prazo, é de que a inadimplência se mantenha nos mesmos patamares. “As cooperativas de crédito têm, por princípio, o objetivo de oferecer soluções financeiras adequadas às necessidades e às condições de seus associados. O apoio aos associados na identificação das melhores escolhas para os seus objetivos se reflete no controle da inadimplência”, conclui Senger. 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUma relação de muitos ganhos
Próximo artigoManda um Whats!