O canal para quem respira cliente.

Risco de crédito

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



O vice-presidente de Agronegócios do Banco do Brasil (BB) e ex-ministro da Agricultura, Luiz Carlos Guedes Pinto, afirmou na última sexta-feira (03/07) que a instituição financeira irá reavaliar o risco de 94 mil clientes da agricultura empresarial. O volume representa cerca de um terço dos entre 250 mil e 300 mil tomadores de crédito do BB no agronegócio.

 

O banco público é o primeiro a anunciar a operação desde que a medida foi aprovada para o crédito rural, em reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN). Até então, a avaliação de risco era feita automaticamente por meio de normas do Banco Central (BC), prática que ainda segue para os clientes fora da carteira de crédito rural. Segundo Guedes, com a reavaliação o cliente do crédito rural poderá ser reclassificado em um nível de risco menor e assim fazer novos financiamentos, ou mesmo prorrogar outras operações.

 

Pelas normas do BC anteriores à mudança, o risco do cliente bancário era classificado com códigos que variavam de AA a H. Para cada nível, os bancos precisam fazer um provisionamento correspondente a um porcentual do valor do empréstimo, que varia de 1%, para o AA, a 100% para o H. Segundo Guedes, a partir do código D, para o qual é necessário uma reserva do banco de 10% para garantir o risco de o cliente não pagar o empréstimo, as instituições não fazem mais novos operações. “Para complicar, um produtor que tem risco baixo em cinco empréstimos, por exemplo, e precisa prorrogar um deles, todos os outros são reclassificados para D, o que trava o crédito”, disse.

 

Guedes não soube informar quanto em volume de crédito representam os 94 mil clientes agrícolas que serão reavaliados, mas lembrou que a carteira de crédito do BB atinge hoje R$ 65 bilhões. Desse total, R$ 18 bilhões são dívidas prorrogadas, o que não significa que todo esse valor corresponda aos empréstimos dos clientes que serão reavaliados.

 

A atual carteira de crédito agrícola do BB obrigou provisões recolhidas para o suporte ao risco de R$ 5,1 bilhões. “Em 2003, antes da crise agrícola e da recente crise financeira, a carteira era de R$ 26 bilhões e o provisionamento atingia R$ 493 milhões, ou seja, o crédito cresceu pouco mais de duas vezes e o risco foi multiplicado por dez”, avaliou. Ainda segundo ele, a área técnica do Banco do Brasil é qualificada para reclassificar o risco do produtor rural, por conhecer o histórico e os antecedentes dos clientes. “Todos os que serão reavaliados têm potencial de serem reclassificados”, concluiu Guedes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima