Tem jeito certo de cobrar?

0
4
Cobrar, por si só, não é uma tarefa fácil – mas alguém tem de fazer. Por isso, quem o fizer, deve realizar da melhor forma possível, observando os preceitos do Código de Defesa Consumidor, utilizando o bom-senso para saber qual a melhor abordagem nos diferentes casos, além de não colocar o devedor em situação constrangedora – afinal, ele ainda é cliente. Encontrar o equilíbrio na hora de cobrar, muitas vezes, não é fácil, mas ajuda a evitar prejuízos futuros, ainda mais em tempos de multicanais. “As novas tecnologias criam novos cenários provocando novos questionamentos, e demora um tempo até que o mercado e o judiciário definam o que pode e o que não pode ser feito para cada novo cenário. Os limites vão sendo primeiramente testados no dia a dia, comparados com as práticas conhecidas para, então, serem formalmente definidos”, comenta Paulo Cesar Costa, presidente da PH3A. Desta forma, pode-se ir testando aos poucos, observando a resposta de cada cliente, já que muitos deles amadureceram junto com as inovações tecnológicas – pois existem pessoas de mais idade que não têm essa afinidade e isso não deve ser ignorado.
Entretanto, de nada adianta investir em tecnologia e infraestrutura se o CRM não estiver interligados. “Ao mesmo tempo que os múltiplos canais de contato aumentam as nossas chances de êxito, é preciso garantir a padronização do atendimento”, observa Donato Stillo, diretor de operações de cobrança da Intervalor. Afinal, às vezes quem recebe um SMS ou WhatsApp, resolve responder com uma ligação ou e-mail. Então é necessário que os operadores estejam por dentro de todo o processo que envolve aquela dívida.
Isso significa que o devedor não deve ser visto somente como objeto de cobrança, mas que ele deve ser tratado com respeito e cordialidade, buscando entender o seu estado de inadimplência. “Clientes mais conscientes e com ampla oferta de produtos e serviços obriga as empresas a repensarem suas relações, até por que é cada vez mais caro se conquistar um novo cliente e a manutenção do mesmo na base é parte integrante do modo como as empresas se relacionam com clientes inadimplentes, pois estar devendo é um estado e não uma condição prévia”, conclui Reginaldo Diniz, diretor de operações de cobrança do Grupo Nelson Paschoalotto.
É importante também que as empresas tomadoras de serviço montem a estratégia de cobrança em conjunto com as recuperadoras de crédito, de forma que a cultura do seu negócio seja representada pela recuperadora, que vai unir isto à sua experiência. “Muitos contratantes já chegam com a receita pronta e apenas usam a estrutura física e ferramental do contratado (empresa de cobrança). Tem o lado positivo e o negativo, pois a soma de conhecimento, planejamento e estratégia, potencializa o resultado”, explica Jefferson Frauches Viana, presidente do Instituto Geoc.
Como identificar o limite na hora de cobrar? Deixe a sua opinião na enquete do Portal Crédito e Cobrança.

Leia também as matérias exclusivas do especial:

Saber tratar com respeito e bom-senso quem está em débito traz melhores resultados
Código de Defesa do Consumidor também deve ser observado na hora de cobrar débitos
Empresas de cobrança já possuem estratégia maduras para atender necessidades de credores e devedores
Respeitando o cliente, novas plataformas podem ser mais eficazes na hora de cobrar