Clique no banner e vote na fera que te representa!
Clique no banner e vote na fera que te representa!

O canal para quem respira cliente.

Todos querem, mas…

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Que a situação econômica deixou as coisas mais difíceis para todo mundo, não é novidade. Nesse cenário está sobrando até para as empresas, que estão tendo que recorrer ao crédito. Porém, nem isso está fácil. Isso porque, as concessionárias de crédito, embora tenham implementado medidas para manter o setor aquecido, ao mesmo passo adotaram noas estratégias para não deixar a qualidade do crédito cair – principalmente com o índice crescente de inadimplência. “O momento é de cautela. A estratégia é manter a qualidade financeira do negócio”, reforça Luciano Ribeiro, superintendente comercial do Banco Cooperativo do Brasil (Bancoob), instituição provedora dos produtos e serviços para as cooperativas do Sicoob.
Conforme explica Marcela Kawauti, economista chefe do SPC Brasil, um dos principais desafios que as concessionárias de crédito enfrentam atualmente é o de continuar atendendo a necessidade de financiamento das empresas em um ambiente de crédito seletivo. Afinal, as pessoas jurídicas possuem em seu DNA a necessidade de financiamento, seja para capital de giro ou investimento, entre outras modalidades. O problema é que, hoje em dia, está difícil para as empresas fechar as contas do mês, sendo o fator motivacional para a busca de crédito.
Então, se não existe dinheiro nem para cumprir o orçamento básico do mês, como saldar dívidas de financiamento? “Oferecer crédito em um cenário econômico de retração é desafiador na medida em que há maior incerteza quanto ao nível de exposição ao risco, efeito majorado quando a instituição financeira não está próxima do negócio do associado”, aponta Elenilton Souza, gerente do segmento pessoa jurídica do banco cooperativo Sicredi.
Desta forma, é possível perceber que existe uma necessidade de aprofundar a relação entre concessionária de crédito e empresa, tal qual seria feito com a pessoa física. Pois com uma conversação aberta, fica mais fácil minimizar os impactos relacionados à exposição da pessoa jurídica e da própria instituição financeira, além de buscar evitar o endividamento ou alavancagem não condizente com a realidade do empreendimento.
Por fim, apesar do mercado ter apresentado muitas retrações, alguns setores, como  os serviços industriais de utilidade pública e comércio, apresentaram leve crescimento no volume de crédito. Isso sinaliza que nem tudo está perdido, apenas que se deve manter a cautela. “A melhora depende de uma recuperação da economia. Esta, por sua vez, não tem dado sinais claros de recuperação no curto prazo. Trata-se de uma perspectiva de médio a longo prazo”, prevê Fabio Itano, diretor vogal do Ibevar e sócio da TA Consult.
Qual medida ajuda mais as concessionárias a manterem o crédito empresarial aquecido? Deixe a sua opinião na enquete do Portal Crédito e Cobrança.

Leia também as matérias exclusivas do especial:
Faz parte das estratégias empresariais a tomada de crédito, mas cenário mostra maior cautela
Apesar da crise, micro e pequenas empresas são as que mais movimentam o setor de crédito
Se antes crédito empresarial era para investimentos, hoje tem sido utilizado para saldar orçamento básico
Apesar da crise, algumas empresas estão conseguindo driblar restrição de crédito e crescer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima