Transferência de risco financeiro

0
1

“Uma empresa não pode colocar o seu capital de giro nas mãos do cliente em forma de financiamento. Se é preciso vender a prazo, é melhor fazê-lo através de um banco ou uma financeira. Não assumir o risco diretamente é a melhor maneira de se defender da inadimplência”, afirma Nelson Barrizzelli, consultor da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, CNDL, e economista do Serviço de Proteção o Crédito, SPC Brasil.
A inadimplência subiu gradativamente até o mês de maio e depois, começou cair levemente. Se observarmos a inadimplência em relação à doze meses passados ela é maior hoje, porém, se analisarmos a relação de dois meses passados ela tende a ser levemente menor, segundo Barrizzelli. “Isso mostra que o maior nível de endividamento das pessoas é no curto prazo e esse endividamento esta sendo gradativamente controlado. O problema maior fica por conta das dívidas de longo prazo, porque essa é muito mais difícil de ser controlada”, afirma o economista.
O economista indica que caso a inadimplência já seja um fato, o único caminho é renegociar a dívida. “Para regularizar a situação, o caminho é ampliar prazos, reduzir juros e valor das prestações, negociar, de fato na medida das necessidades do cliente”, afirma e pontua que de todo modo, é melhor prevenir a inadimplência nas concessões futuras por meio de uma política de análise mais rígida. “Cabe as empresas agora, estar dez vezes mais alerta do que estavam há três ou quatro anos atrás. Em função do grande volume de compras que ocorreu no período, as famílias, mesmo aquelas que não estão inadimplentes, estão bastante endividadas” frisa.
Outro cuidado que a empresa deve ter, de acordo com Barizzelli, é gerenciar o capital de giro representado por estoques, despesas fixas e contas a receber, versus contas a pagar. “é fundamental ter sempre um controle bem feito do ciclo financeiro para meu prazo de contas a pagar sejam maior que o de contas a receber e assim, se receba antes e tenha dinheiro para honrar compromissos financeiros”, recomenda e finaliza.