O “marketing” morreu?



Está entre aspas no artigo, mas é bastante provocador mesmo assim. Segundo a Patrícia Seybold, ao tratar da terceira tendência que identificou no encontro com os “visionários”, esses cavalheiros parecem não enxergar mais muito valor nas “campanhas tradicionais de marketing”, com exceção de catálogos impressos e os encartes em jornais que dirigem o tráfego diretamente para os sites de e-commerce ou para as lojas. Tem muita coisa “por fora” na visão deles. Até mesmo programas elaborados de marketing direto. Tudo que é “push” está por fora. “Pull” é o que está por dentro. E isso é conseguido principalmente via ferramentas de busca e otimização da navegação.


 


Esses visionários, segundo a Patty, têm feito investimentos significativos nas habilidades e tecnologias necessárias para aperfeiçoar continuamente a capacidade dos consumidores encontrarem o que estão buscando. Busca Vertical é uma das soluções mais populares entre eles. Nesse caso, a busca é otimizada para categorias particulares de produtos. Muitos usam a Busca Federada: obtendo conteúdo e informação relevantes de fontes terceirizadas. E todos focam no adicionamento de alguma forma de marcar os clientes segundo suas próprias metodologias de classificação, geralmente muito bem elaboradas.


 


Ou seja, o marketing mesmo não morreu, mas tecnologias de busca e navegação estão cada vez mais vivas.