64% dos e-mails são entregues no Brasil

0
3

Apenas 64% dos e-mails que trafegam no Brasil são entregues nas caixas de entrada. Mais ainda, 25% das mensagens enviadas no País são direcionadas para as pastas de spam ou lixo eletrônico e 11% simplesmente são perdidas. É o que aponta o “Estudo Comparativo Global de Entregabilidade de E-mail, Primeiro Semestre de 2011”, realizado pela Return Path. 
A pesquisa indica que a entregabilidade de e-mail ainda causa prejuízos aos remetentes de e-mails comerciais em todo mundo, com apenas 81% de todos e-mails permitidos chegando na caixa de entrada. 
A entregabilidade varia para cada região, mas a pesquisa da Return Path aponta para três fatores chaves: a crença no mito das taxas de rejeição, a falta de monitoramento e acompanhamento das falhas de entrega e a resistência à implementação das melhores práticas. O estudo também analisa questões de B2B e o impacto que novos filtros representam sobre a entrega nas caixas de entrada.
As razões pelas falhas na entrega são: os remetentes continuam a acreditar no “mito das taxas de rejeição”, ou seja todo e-mail que não foi rejeitado foi entregue. Isto não é o caso. Os remetentes são somente notificados quando seu email é enviado para um endereço errado e não se foi direcionado para a pasta de lixo ou spam. Outro motivo é usar apenas o faturamento ou a taxa de resposta como métricas para a entregabilidade. E também muitos remetentes ainda resistem à implementação das melhores práticas que tornam a entregabilidade do e-mail mais factível e mais consistente.
A entregabilidade na América do Norte é a melhor, globalmente, com 86% dos e-mails ingressando na caixa de entrada. O Canadá mostra uma taxa desproporcional entre os e-mails que são simplesmente perdidos (12,2%) e aqueles entregues na pasta de spam ou lixo eletrônico (2,56%). Nos Estados Unidos percebe-se um equilíbrio maior entre as mensagens que são perdidas, de 5,9%, e as que são entregues nas pastas de spam ou lixo eletrônico, de 7,56%.
Na Europa, no primeiro semestre de 2011, aproximadamente um em cada seis e-mails legítimos (16,5%) nunca chegam na caixas de entrada dos assinantes. Além disso, mais de um em cada dez e-mails comerciais (10,4%) são completamente perdidos, bloqueados por provedores antes de alcançar a caixa desejada. Em comparação, a Europa está 3 pontos percentuais (83,5%) atrás das taxas de entrega da América do Norte (86,5%). 
Na América Central e na América Latina, a entregabilidade de e-mail continua a ser um grande obstáculo, com apenas 62% (somente 6 em cada 10 emails) chegando na caixa de entrada. Os 38% restantes são rejeitados pelos provedores (21%) ou colocados nas pastas de lixo eletrônico ou spam (17%). 
O cenário é particularmente problemático no Brasil. Com 25% de todos os e-mails permitidos sendo entregues nas pastas de spam ou lixo eletrônico e um em cada dez emails perdidos (11%), apenas 64% dos e-mails são entregues nas caixas de entrada brasileiras. Em comparação com a média global de 81%, o Brasil mostra uma clara e inadiável necessidade de melhorar a sua entregabilidade.