A criatividade dentro das empresas

0
1

O conferencista Antonio Carlos Teixeira da Silva, responde a dúvidas ligadas à criatividade dentro das empresas. Idealizador do Projeto Pense Diferente, cujo o objetivo é estimular a criatividade e inovação no comportamento das pessoas e das empresas, Antonio Carlos dedica-se a palestras, seminários, publicações e consultoria nas áreas de criatividade e inovação.

Muitas empresas enfrentam dificuldades e lutam para sobreviver no dia-a-dia. Como, em uma situação assim, pensar em inovação?
As dificuldades são um grande estímulo à inovação. Em situações assim é necessário resolver problemas e identificar oportunidades com novas idéias. Melhorar seu produto, deixá-lo mais competitivo, otimizar processos administrativos, melhorar a produtividade, vender mais, etc.

Dentro deste ponto de vista a empresa que não for criativa terá problemas de sobrevivência. Mas, ao mesmo tempo, temos exemplos de empresas que estão muito bem, agindo da mesma maneira como sempre agiram. Por que inovar?
Somente, o ser humano é dotado de potencial criativo e a partir da criatividade dos colaboradores é que a empresa será ou não inovadora. Solucionará problemas dentro da mesmice ou encontrará novos caminhos. Quanto às empresas que estão muito bem e agindo da mesma maneira, lembro-me de um dito popular: em time que está ganhando não se mexe. Será, então, que é preciso esperar perder para mexer? O grande risco não é mexer no time que está ganhando, mas sim a acomodação. De quantas empresas você se recorda que foram potências no passado e desapareceram ou encolheram porque algo inovador surgiu?

O que é mais importante: qualidade ou inovação?
Os consumidores estão cada vez mais exigentes e menos fiéis. Você pode usar sua criatividade para melhorar a qualidade de um produto. Ou a qualidade pode ser melhorada como resultado de uma inovação, por exemplo, no processo produtivo. Pior ainda, os seus concorrentes terem idéias para melhorar a qualidade dos produtos deles, antes de você.

As empresas possuem sistemas para realizarem inovações?
Empresas que praticam a inovação mantêm diversas práticas destinadas a estimular a geração e implementação de novas idéias. Por exemplo, não punição por erros, estímulo à experimentação, recompensas vinculadas à inovação, etc. A essas práticas as empresas excelentes em inovação adicionam um item essencial: procuram desenvolver continuamente a própria habilidade de inovar por meio do treinamento constante de suas equipes.

Se todas as empresas preocuparem-se com a inovação constante, ela não deixa de ser o diferencial competitivo?
No mundo atual, tudo fica obsoleto muito rápido. Inclusive as inovações. Por esta razão, para se manterem competitivas, ou no mínimo sobreviverem, as empresas precisam inovar constantemente. Outro dia, li uma entrevista de Bill Gates em que ele dizia aos seus funcionários: “precisamos deixar nossos produtos obsoletos antes que nossos concorrentes o façam”.

Na sua avaliação, como as empresas estão tratando a questão da criatividade?
As empresas estão tratando o desenvolvimento da criatividade de seus funcionários, de todos os níveis, como estratégia prioritária. Como a criatividade é uma característica do ser humano, são os funcionários que tornarão a empresa.inovadora,.competitiva.e.líder.

O que mais bloqueia uma empresa de inovar?
Uma das razões é que muitas empresas possuem sistemas administrativos que foram concebidos há 40 anos para gerenciar rotinas, não a inovação. Isto pode ocorrer mesmo contra a vontade da gerência que quer inovar, mas os métodos de administração bloqueiam a inovação. Por exemplo: excesso de normas, hierarquia rígida, punição por erros e, principalmente, medo. As empresas não devem “empurrar a inovação com a barriga”. Infelizmente, muitas empresas matam idéias que realmente não deveriam matar. Ou evitam que nasçam. Efetivamente não estimulam a geração de idéias. Estas não terão um futuro muito brilhante.

A criatividade pode substituir a tecnologia?
A criatividade e a tecnologia complementam-se. Um desenvolvimento tecnológico começa com uma idéia. A tecnologia nunca poderá avançar sem o pontapé inicial da criatividade de alguém.

É possível aprender a pensar diferente todo o tempo, incorporando esse hábito à nossa personalidade?
Sem dúvida. Walt Disney, um homem de criatividade indiscutível, disse certa vez em uma palestra que criatividade é a mesma coisa que um exercício físico.
Quanto mais você malha um músculo mais ele se desenvolve. A atividade reforça ao invés de desgastar o músculo. Pensar diferente é a mesma coisa. Você se acostuma sempre a procurar nova alternativa para resolver um problema ou para otimizar uma oportunidade. Habituar-se a pensar diferente é sempre questionar: Por que desta maneira? Não haverá outra melhor?

Se você estiver entrevistando candidatos, como identifica os mais criativos?
Os mais criativos são aqueles que conseguem produzir grande quantidade de idéias. Isto é fundamental, porque você só vai encontrar boa idéia se você produzir muitas idéias; Independentemente, se serão exequíveis, aproveitáveis ou não, o que é decidido numa segunda fase do processo criativo.

E nas empresas, como identificar os funcionários criativos?
As pessoas criativas sempre questionam normas e regulamentos querendo saber o porquê de tal procedimento obrigatório. Isto é muito bom para a empresa porque sempre existem normas que faziam sentido na época em que foram colocadas. Depois, deixaram de ter razão para existir por vários motivos. A pessoa criativa é entusiasmada com um trabalho que está realizando.

Antonio Carlos Teixeira da Silva – conferencista e consultor em Criatividade e Inovação. E-mail: [email protected]
www.pensediferente.com.br