Agora, o shopping é virtual?

0
2
Dentre as vantagens que há em um shopping center, com certeza, o fato de ter uma maior variedade de lojas e a possibilidade de comprar tudo o que necessita em um só lugar é um grande ponto de atração dos consumidores. Aliás, esses que priorizam um estilo de vida cada vez mais conectado e cômodo têm se mostrado bastante habituados com um tipo de plataforma online, que oferece a mesma facilidade dos grandes centros de compras, os marketplaces. Formado mais comumente por grandes varejistas, este é um modelo que fornece, acima de tudo, oportunidade aos pequenos e médios empresários de espaço para também conseguirem vender seus produtos e conquistarem clientelas. “É uma tendência que veio para ficar no Brasil, assim como é nos EUA e na Europa”, afirma José Nilson Ferreira, diretor de marketplace da Cnova – empresa detentora das plataformas do Extra, Pontofrio e Casas Bahia. 

Segundo o diretor de marketplace do MercadoLivre, Leandro Soares, a comparação com os shopping centers acontece por conta da forma como as plataformas funcionam, não deixando de ser um centro de vendas virtual, onde o cliente entra e pesquisa pelos produtos desejados em meio aos tantos varejistas disponíveis. “Assim como no shopping center, onde se vai e não se compra nada ´do´ shopping, mas se compra ´no´ shopping, o marketplace carrega essa mesma analogia”, explica ele. Em comunhão com a ideia, Marcos Wettreich, CEO do MercadoPME, adiciona que esse é um modelo que traz vantagens para todos os lados, sejam as empresas donas das bandeiras, os varejistas cadastrados ou os próprios consumidores. “Como o custo de marketing é muito alto, o marketplace é uma solução muito boa para o vendedor, pois é possui um custo variável.”

Segundo ele, a dinâmica é positiva, pois enquanto os grandes varejistas e donos dos sites de marketplace possuem o ativo – que são uma maior base de consumidores, que compram em seu e-commerce, e estrutura para que a venda possa ser feita, como formas variadas de pagamentos e segurança, os vendedores se beneficiam desse ambiente para oferecerem seus produtos e também conquistarem espaço. Já para os clientes, as vantagens são simples: eles terão maior acesso a uma variedade de vendedores, em um único lugar, o que facilita a compra e pesquisa, bem como terão a transparência na hora da venda. “Então, a vantagem do vendedor é ter o acesso a milhões de potenciais clientes a um preço definido”, completa.  “Eu costumo dizer que o marketplace é um ganha, ganha, ganha”, adiciona Ferreira.

Por outro lado, seja porque o modelo ainda está iniciando no País ou porque o próprio consumidor ainda não está muito habituado com o e-commerce, André Ricardo Dias, diretor de inteligência e pesquisa do E-bit, afirmou que o cliente se sente muito inseguro quanto ao funcionamento do marketplace e ainda não entendem muito bem sobre de quem é a responsabilidade em cada ciclo de compra. Por isso, “as empresas devem oferecer excelência no atendimento ao cliente e boa experiência de compra, que incluem facilidade de navegação, informações detalhadas de produtos, entrega no prazo e disposição para solucionar problemas”, aponta. Segundo Ferreira, é preciso que o vendedor tenha uma gestão de estoque, bem como um cuidado com o atendimento ao cliente, pois é uma falha gravíssima quando o vendedor recebe um pedido de venda e, no último instante, não entregar o pedido por falta de estoque. “Isso mancha a reputação do lojista e do próprio marketplace. Essa relação só é duradoura se o nível de serviço for muito bom”, aconselha. 

Quando a qualidade do serviço é elevada e a experiência do cliente for positiva, não há como este não ser fidelizado e, com isso, o tal ciclo de vantagens de será mais certo. Assim como o próprio mercado no meio virtual. “Olhando para o mercado específico do marketplace no Brasil, ele vem crescendo muito nos últimos anos. Acredito que entre 20% e 25% do que é vendido no e-commerce já acontece por meio desse mercado”, prevê Soares. No caso do MercadoLivre, enquanto o e-commerce cresceu 24%, a plataforma teve um aumento próximo de 30%, no ano passado, um faturamento de US$ 7,6 bilhões na América Latina. “No MercadoLivre, temos 25 milhões de visitantes únicos todos os meses, isso faz com que o vendedor queira fazer que seu produto seja visto”, afirma. Um benefício que deve ser enxergado pelo vendedor, que terá uma visibilidade que não teria se tivesse apenas em sua loja. O que, da mesma forma, não significa que por ele estar no marketplace, deva se esquecer de sua loja ou outras opções, esse é um canal a mais de contato, de obtenção de consumidores e até mesmo uma chance de se tornar omni-channel.  
E para você, quem mais ganha com o marketplace? Participe da nossa enquete!

Confira também as outras matérias do Especial:
Marketplace oferece aos varejistas visibilidade e ao cliente mais opções de compra
 
Até mesmo o varejo virtual precisa de mudanças e atualizações no seu funcionamento
Marketplace permite que vendedores tenham acesso aos clientes com baixo investimento
Para MercadoLivre sim, uma vez que mesmo com crise, continua apresentando crescimento
Pelo quanto se oferece e investe, marketplace é uma tendência para mercado online