Ano de novas oportunidades

0
1
Se há um ambiente em que ainda há muito para se investir e expandir é a Internet. Principalmente, pelo fato de que a cada dia surgem novidades e tendências. Uma prova disso é que mesmo com a crise que persistiu neste ano, o e-commerce apresentou resultados melhores do que o varejo físico. Uma prova de que as pessoas podem até estar mais contidas em seus gastos, mas ainda assim privam pela praticidade e comodidade. Entretanto, falando em comércio eletrônico, um grande “porém” que faz muitos clientes desistirem. É a entrega. Ou ela pode demorar mais do que desejado pelo consumidor, ou sua taxa é muito cara. Isso acaba se tornando uma dor de cabeça para os varejistas.
Passando por isso na pele, enquanto compradores online, os sócios João Cristofolini, Ismael Ricardo Costa e Daniel Frantz criaram a Pegaki, startup que tem como missão unir a dificuldade das lojas com o conceito de economia compartilhada. Ou seja, a empresa é uma rede de pontos de entrega. Assim, quando o cliente realizar uma compra em algum e-commerce e optar por um ponto da Pegaki, a compra será entregue nesse lugar. Depois, basta que a pessoa vá até o local escolhido, no dia e horário desejado, e buscar seu item. “Nosso negócio ajuda a reduzir custos e aumentar as vendas, duas das coisas mais importantes em um momento de crise como o que estamos vivendo”, comenta Cristofolini, que também é CEO da startup. 
Não por menos, a empresa não só surgiu em um momento não muito propício no País, como ainda conseguiu criar uma boa captação de novos clientes com sua proposta de negócio. “Toda crise traz oportunidade de negócios, cabe a cada empreendedor identificar quais são elas”, aconselha o executivo. Como resultado desse feeling para a oportunidade, ele conta ainda que receberam dois prêmios em 2016, que ajudaram na credibilidade e visibilidade para novos mercados e públicos. “Fomos selecionados para o Demo Day do E-commerce Brasil, sendo considerada uma das startups mais inovadoras no ano no mercado de e-commerce”, diz. “E Cotidiano Aceleradora para um programa de aceleração e recebemos nossa primeira rodada de investimento.”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUma crise nem tão ruim assim
Próximo artigoFim do “mais do mesmo”?