Banco do Brasil revê sistema de cobrança

0
2


A Lacis (Latin American Credit Integration Services), anunciou o desenvolvimento de um projeto tecnológico no Banco do Brasil. A implementação do CACS Enterprise® 8.0, prevista para este mês, irá oferecer apoio para a cobrança de até 3 milhões de clientes. Para receber o novo sistema de cobrança e recuperação de créditos, o BB já iniciou processos para a revisão e reestruturação tecnológicas. Ao todo, a implantação do CACS Enterprise envolverá 24 diferentes etapas dentro da empresa.

A necessidade de reestruturação exigiu a criação de vários sistemas de interface, incluindo o desenvolvimento de mais três projetos, desenvolvidos pela Lacis. Estes projetos estão sendo implementados paralelamente e também apresentam sub-atividades de planejamento e desenvolvimento, que visam melhorar o relacionamento com clientes, diminuir a evasão e gerar rentabilidade.

De acordo com Julio Lima, gerente do projeto de cobrança do Banco do Brasil, a implementação do CACS faz parte de uma reestruturação de negócio do Banco do Brasil em que o objetivo é melhorar o atendimento e relacionamento, além de desenvolver produtos e serviços adequados ao perfil de cada cliente. “Isso provocou mudanças em diversos sistemas, que tiveram que se adaptar à nova necessidade. Nesse contexto, identificamos que o CACS era uma solução tecnológica madura e amplamente utilizada pelo Sistema Financeiro Nacional. Isso nos fez optar por essa solução para operacionalizar a cobrança do Banco do Brasil”.

O projeto permitirá que o BB desenvolva estratégias de cobranças voltadas para o perfil de cada cliente, ou seja, de acordo com o histórico de relacionamento com a instituição. Ainda segundo Lima, a opção do BB elimina os excessos, desgastes e atritos, sistematiza determinados procedimentos e gera economia, pois possibilita a utilização de abordagens de menor custo como SMS ou e-mail.

Para a supervisora de projeto da Lacis, Lucila Nakagawa, graças a implementação, o banco poderá efetuar as ações de cobrança de maneira sutil, quase como uma prestação de serviços. “Temos casos de bons clientes que nunca atrasaram pagamento, mas que, por alguma eventualidade, esqueceram de pagar o produto financeiro. O banco irá entrar em contato com esse cliente com o intuito de lembrá-lo sobre o atraso, por meio de e-mail ou telefone, sem ações mais agressivas que desgastam o relacionamento. Com isso, a evasão de clientes tende a diminuir”, explica.