Benefício a um toque

0
1
Aqui no Brasil, uma opção para dar fim às fraudes nos cartões de crédito e débito foi o uso do chip e senha, bem como os sistemas de biometria em alguns bancos. Porém, não é em todos os países que esse sistema vem sendo utilizado, como é o caso dos Estados Unidos. Lá, os cartões ainda não possuem chip e os clientes não necessitam de senha ou assinatura para o pagamento. Ou seja, os riscos para fraudes e outros problemas são grandes. Essa é uma das razões pela qual a chegada do novo serviço da Apple, o Apple Pay, traz esperanças de ser uma opção de pagamento mais segura, tanto para clientes quanto para comerciantes. “Com esse produto, a Apple transformou pagamentos móveis de uma forma que vai atrair muito mais os clientes, pois combina hardware e software mantendo as informações de pagamento protegidas. A grande mudança para o cliente final é a experiência de compra, que passa a ser muito mais fácil, mas permanece tão segura quanto uma transação tradicional com o cartão”, afirma Graça Cordeiro, diretora de produtos da First Data.
A First Data, inclusive, colaborou com a Apple para a criação do serviço de pagamento móvel por meio da tecnologia de tokenização, que reforça a segurança nas transações on-line. “Além disso, a solução de e-commerce Payeezy SM, da First Data, permite que desenvolvedores rapidamente ofereçam aos consumidores de estabelecimentos comerciais a capacidade de usar esse novo recursos de pagamento, com os recém-lançados dispositivos móveis equipados com a capacidade InApp”, conta Graça. “Estamos muito entusiasmados por trazer soluções First Data para apoiar o Apple Pay, juntamente com os bancos emissores, os comerciantes, desenvolvedores de aplicativos e consumidores para fornecer uma maneira fácil e segura de pagar com um único toque.”
Segundo ela, os pontos positivos para as empresas podem ser ainda maiores, pois, a partir do momento em que o pagamento móvel consegue se popularizar, elas conseguirão ampliar a base de clientes, por exemplo, para aqueles que ainda não são bancarizados. “Certamente o Apple Pay vai beneficiar o relacionamento com o consumidor. Ao instalar um POS com tecnologia NFC que permita a aceitação da funcionalidade do Apple Pay, o estabelecimento passa a ter acesso ao que é mais moderno em termos de pagamento eletrônico”, justifica. Isso, porque os dados dos clientes estarão armazenados, disponível a acesso apenas para eles próprios. Junto a isso, ainda há a possibilidade de as empresas aprimorarem o uso do serviço, vinculá-lo a outros aplicativos, como cardápio digital em restaurantes, táxis ou programas de fidelidade.
Por outro lado, o novo serviço também poderá forçar o mercado de tecnologia no desenvolvimento de outros produtos parecidos ou melhores. “A chegada do Apple Pay impacta o mercado de uma maneira que nenhum outro player de pagamentos móveis conseguiu até o momento. Ao mesmo tempo em que ele elimina a insegurança dos clientes por meio do processo de tokenização e dá maior praticidade, a solução necessariamente cria um paradigma no mercado, obrigando outros players a desenvolverem um ecossistema tão ou mais completo que dele”, aponta executiva, acrescentando que o mercado de pagamentos eletrônicos se tornará cada vez mais convergente e alinhado com as necessidades do consumidor, que vai optar por usar o plástico ou seu dispositivo móvel de acordo com a sua conveniência