Boa performance não garante emprego

0
0


Um retrato atualizado das condições de trabalho e dos processos de demissão no país chega a público nesta semana com a divulgação do novo estudo “Demissão de Executivos nas Maiores e Melhores Empresas do Brasil”, pesquisa que vem sendo realizada pela Lens & Minarelli desde 2002. A presente versão permite vislumbrar uma realidade inquietante: o estado de alienação dos executivos que, ao cumprir as metas e entregar os resultados esperados, se julgam imunes à demissão. A prática, no entanto, demonstra que o descuido com aspectos comportamentais e de relacionamento tem levado à ruptura do contrato de trabalho, independentemente da performance.

“A alienação produz um entendimento de que o nível de estresse presente hoje nas organizações é algo natural, o que leva muitos profissionais a cumprir o papel de multiplicador da tensão. Da mesma forma como são pressionados, eles pressionam os demais e criam um ambiente desfavorável à construção de relações sustentáveis, dando espaço a relacionamentos superficiais e efêmeros. Sem considerar a importância da interação com as pessoais, a maioria se surpreende com a exclusão, que ocorre apesar do cumprimento das metas”, avalia Mariá Giuliese, sócia-diretora da Lens & Minarelli e coordenadora do estudo.

A pesquisa envolveu uma população de 200 executivos, entre presidentes, diretores e gerentes seniores demitidos ao longo de 2005. Todas as entrevistas foram realizadas logo no início do processo de outplacement, serviço de transição de carreira oferecido a esses profissionais por seus ex-empregadores. O perfil dos entrevistados é similar ao dos estudos anteriores: 87% são homens, 95% têm curso superior completo, 65% fizeram pós-graduação e 51% falam inglês fluentemente.

Os resultados demonstram, também, que ainda é grande o número de executivos demitidos pela primeira vez (59,2%), após um longo período de permanência na empresa (cerca de 10 anos). Ainda que tenham passado por vários processos de fusão e aquisição, apresentam experiência restrita a uma única realidade organizacional, desconhecendo outros negócios e mercados. Um dado que surpreende é a falta de percepção quanto ao risco de desligamento: 68,3% não esperavam o término do contrato de trabalho, o que acarreta uma sensação de choque para 43,2% dos profissionais que receberam a notícia. A grande maioria (82,9%) considera a demissão injusta; 66% não se convenceram da justificativa fornecida pela empresa e, para 59,3%, o processo de ruptura foi mal conduzido.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSolução de BI acelera processos na Koch
Próximo artigoPrêmio mexicano