“Boom” nas vendas de PCs e impressoras

0
8


O sonho de consumo de possuir um computador ou trocar por um modelo mais potente pode virar realidade para muitos brasileiros neste Natal. Os preços baixos dos chamados PCs populares e a disponibilidade de crédito oferecida pelas lojas varejistas espalhadas pelo País devem impulsionar vendas para a ocasião de mais de dois milhões de unidades, entre desktops e notebooks, estima a IDC Brasil.

“Em 2005 foi o Natal do DVD, tendo em conta a grande demanda por estes aparelhos. Mas as apostas agora são para que tenhamos neste ano o Natal do PC, com o consumidor diluindo suavemente as compras em planos de financiamento de 12 ou 24 vezes”, diz Reinaldo Sakis, analista sênior de PCs e monitores da consultoria.

A preferência dos consumidores continua sendo pelos desktops, que possuem custos mais condizentes com o bolso do brasileiro. De acordo com dados da IDC, de janeiro a outubro de 2006 já foram vendidas 4,6 milhões de unidades de desktops. Dos notebooks, que já contam com modelos de cerca de 2 mil reais e com a tendência de baixar ainda mais o preço, foram comercializadas 363 mil unidades no mesmo período.

A queda dos preços e os planos de financiamento também estão afetando o mercado cinza de computadores. Os consumidores estão preferindo cada vez mais comprar os PCs de fabricantes oficiais para se valer da garantia de suporte e assistência técnica. Enquanto o índice de pirataria no ano passado foi acima de 60%, a estimativa da IDC é de que fechemos 2006 com este índice caindo para cerca de 50%.

Seguindo no mesmo ritmo, com diversos modelos e recursos variados, as impressoras também terão destaque nas compras natalinas deste ano. Impulsionadas pelas compras de PCs, a estimativa é de que se vendam 2,8 milhões de equipamentos jato de tinta até o final de 2006. Cada vez mais ganhando espaço no segmento doméstico, as impressoras multifuncionais estão na mira dos consumidores. A IDC prevê que pela primeira vez na história destes equipamentos as multifuncionais irão vender mais que as impressoras de uma única função.

Para Luciano Crippa, analista de mercado que cobre este segmento na IDC Brasil, as impressoras também estão com preços atrativos para os consumidores, além de avanços tecnológicos que atendem as mais diversas necessidades. “A disputa entre os fabricantes está bem acirrada, o que reverte em benefícios para os usuários”.

De acordo com a IDC, em 2006 a estimativa é que sejam comercializados 7,1 milhões de PCs e 3,2 milhões de impressoras no Brasil.