Brasil é o campeão mundial de compulsório

0
1


Em maio, de acordo com a Febraban, não apenas o volume de crédito com recursos livres (estoque) cresceu fortemente, 26,7% em relação a maio de 2005, somando R$ 444,00 bilhões, como também as concessões de crédito (fluxo) tiveram uma robusta expansão, 13,5% em 12 meses, atingindo R$ 126,6 bilhões (média mensal). Persistem os fatores que inibem um maior crescimento do crédito no Brasil – uma dívida líquida do setor público de R$ 1.014,9 bilhões ou 51% do PIB (dado de abril de 2006) e os recolhimentos compulsórios sobre os depósitos bancários.

Em maio, os compulsórios somaram R$ 144,7 bilhões ou 22% do crédito total do sistema financeiro, restringindo fortemente a liquidez do sistema financeiro e diminuindo a oferta de crédito, mantendo o Brasil como praticamente o único país do mundo a utilizar tão drasticamente esse instrumento, em nível muito superior ao de outros países emergentes.

Do lado das pessoas físicas, o volume de crédito consignado teve o maior crescimento no ano (21,6%) atingindo R$ 39,3 bilhões, seguido pelo financiamento de veículos, com expansão de 11,4% também de janeiro a maio de 2006, somando R$ 56,4 bilhões. Cabe destacar que a expansão do volume de crédito consignado tem se desacelerado. Nos cinco primeiros meses do ano de 2005, o volume de crédito consignado cresceu 44,3%. Já nos cinco primeiro meses deste ano, esta modalidade de crédito teve um incremento de apenas 21,6%, apesar da queda da taxa de juros de 0,7 ponto percentual, na comparação entre os dois períodos (em maio de 2006, a taxa de juros para esta modalidade de crédito foi de 36,8%, ante 37,5% em maio de 2005).

Já do lado das pessoas jurídicas, as vedetes foram as operações de crédito com taxas pós-fixadas, dependentes das variações cambiais. As operações de adiantamento de contrato de câmbio (ACC), cujas taxas de captação dependem da variação cambial acrescida da taxa libor e de um spread, tiveram a maior expansão durante o ano (10,2%), somando R$ 26,2 bilhões. Esta excelente performance reflete o bom resultado das exportações brasileiras no ano (US$ 49,5 bilhões) e a depreciação do dólar frente ao real, nestes primeiros 5 meses do ano.

Já as concessões de crédito refletiram o efeito sazonal da Copa do Mundo. As concessões de crédito para pessoas físicas para financiamentos de bens duráveis aumentaram 40,2% em relação ao mês anterior, em razão do aumento de vendas de TV´s e DVD´s, somando R$ 1,7 bilhões. Esta modalidade de crédito teve uma queda na taxa de juros de 0,8 ponto percentual, apresentando, em maio, uma taxa de juros de 58,1% ao ano ante 59,4%, em abril. No total, foram concedidos R$ 44,2 bilhões em crédito para pessoas físicas no mês, um aumento de 14,3% em 12 meses.

No período, as empresas receberam R$ 82,5 bilhões em crédito (expansão de 16,1%). As principais modalidades foram ACC (crescimento de 35%), financiamento de bens (21,5%) e financiamento de importações (50,2%), com concessões de R$ 8,6 bilhões, R$ 5,3 bilhões e R$ 1,5 bilhões, respectivamente. O aumento das concessões de crédito para ACC e para financiamento de importações reflete o fato das exportações e das importações estarem se acelerando concomitantemente.

Em maio, as taxas de juros para pessoas físicas atingiram o menor patamar desde julho de 1994, 56,1% ao ano, queda de 1,7 ponto percentual em relação ao mês anterior. Já as taxas de juros para pessoas jurídicas de 29,7% ao ano, são as menores desde junho de 2004. Ponderadamente, a taxa de juros consolidada foi de 43,9% ao ano, a menor taxa em 2 anos. Corroborou a queda das taxas de juros, além do corte da taxa Selic de 1,25 ponto percentual de março a maio deste ano, o aumento sazonal da concessão de operações de crédito com taxas de juros mais baixas.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNewton Neiva Jr.
Próximo artigoLiderança, uma competência valiosa