Brasil sobe no Índice de Marcas das Nações

0
1


O Índice de Marcas das Nações, pesquisa conduzida pelo consultor internacional de governos Simon Anholt em parceria com a companhia fornecedora de soluções integradas para pesquisas de mercado GMI, apontou o Brasil na 26ª posição no ranking geral do segundo trimestre, entre as marcas de 35 países. Subindo um lugar em relação ao primeiro trimestre do ano, o país manteve o melhor desempenho nos itens relacionados à cultura e aos esportes, apresentando pior performance nos quesitos relativos às ações governamentais – o que inclui o tópico sobre violência – e a produção industrial para exportação.

Responderam à pesquisa, feita por meio da Internet, 25.903 pessoas dos 35 países pesquisados das mais diversas áreas do globo, incluindo as nações do G8 e as principais economias mundiais, no período de 18 de maio a 4 de junho. Na 13ª posição no índice de cultura, a imagem do Brasil demonstra ter mesmo forte relação com os esportes. O país foi o oitavo colocado em relação à afirmação “Esse país está fortemente relacionado aos esportes”. Essa foi a afirmação que colocou o Brasil na segunda mais elevada posição da pesquisa.

O pior desempenho ficou com a área de exportação. O tema deixou o Brasil na 27ª posição. Nessa parte do estudo, os pesquisados são levados a relacionar a imagem do país com a idéia que fazem da produção industrial e a contribuição tecnológica para a humanidade. Outro aspecto do estudo, que leva em consideração as características dos governos dos países em questão, também deixou o Brasil com baixa performance. Na 25ª colocação, o país foi muito pouco relacionado à responsabilidade governamental no combate à pobreza e cuidados com o meio ambiente. No item segurança, o Brasil também teve mau desempenho. Ficou em 23° lugar em relação à afirmação “Esse país tem uma gestão responsável nas áreas de manutenção da paz internacional e segurança”.

No quesito turismo, o Brasil fica na 21ª posição em relação aos demais países. Quando convidados a atribuir pontuações em uma escala de 1 a 7 de acordo com o quanto consideram o país um bom destino para visitação, os pesquisados deram, em média, a nota 5,1. Na questão sobre beleza natural é que o Brasil obteve seu melhor resultado, alçando a sexta colocação como território mais relacionado à plástica de suas paisagens.

Outro quesito levado em consideração na pesquisa são as características da população das diferentes nacionalidades. No cômputo geral, os brasileiros ficaram com a 20ª colocação. Embora seja considerada bastante hospitaleira – com a sexta posição entre os demais países – a população brasileira perde muito sob a avaliação de sua performance profissional. A mão de obra do país fica na 30ª colocação quando as pessoas pesquisadas são convidadas a imaginar em qual país encontrariam pessoas bem qualificadas para trabalhar.