Confiança do consumidor registra alta

0
0



A confiança do consumidor paulista teve alta em setembro, segundo apurou o Índice de Confiança do Consumidor (ICC), da Federação do Comércio do Estado de São Paulo. No contraponto a agosto, o índice subiu 1,2%, atingindo 132,3 pontos na cidade de São Paulo. O resultado do ICC foi influenciado pelos resultados do Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA) e o Índice de Expectativa do Consumidor (IEC).


O ICEA, que mede a percepção do consumidor em relação ao presente, apresentou alta de 3,5%, chegando a 141,8 pontos, enquanto o IEC, que indica a percepção do consumidor em relação ao futuro, apresentou queda de 0,4% e chegou a 126 pontos. É importante ressaltar que o ICC varia de 0 a 200 pontos, indicando pessimismo abaixo de 100 pontos e otimismo acima desse patamar.


Uma análise mais apurada do ICC de setembro concluiu que, ainda em nível elevado, o indicador tende a registrar variações discretas em outubro, devido aos dados da inflação que começam a mostrar alguns indícios preocupantes, principalmente no que se refere aos preços dos alimentos, o que provavelmente trará algum impacto negativo no próximo mês.


Nos dados segmentados por renda, verificou-se que ambas as faixas melhoraram seu humor. A alta entre os consumidores com renda acima de 10 salários mínimos foi de 1,2% em relação ao mês anterior (143,7 pontos), muito próxima à variação de 1,1% apresentada pelos consumidores com renda inferior a 10 salários mínimos (126,2 pontos). O público feminino registrou queda de 0,7% em suas avaliações (125,4 pontos), enquanto entre os homens, o índice registrou alta de 3% (139,6 pontos). Entre as pessoas com menos de 35 anos, a confiança aumentou 2,9% (138,1 pontos) em relação a agosto, enquanto que os consumidores com mais de 35 anos, registraram queda de 1,5% (123 pontos).


Em relação ao futuro, o IEC indica que no grupo dos consumidores com 35 anos ou mais foi o que registrou maior queda, -4,9%, e chegou a 116,8 pontos. O grupo das mulheres registrou baixa de 2,0% (118,2 pontos) e o grupo dos consumidores com renda inferior a 10 salários mínimos teve queda de 0,5% (121,4 pontos).


Já em relação ao presente, o consumidor demonstra uma significativa confiança. O ICEA de setembro demonstrou uma alta na confiança masculina de 5,9% (147,9 pontos). Os consumidores abaixo de 35 anos apresentaram elevação de 3,7% (147,5 pontos) e na segmentação por renda verificou-se que ambas as faixas estão confiantes. A alta verificada entre os consumidores com renda acima de 10 salários mínimos foi de 3,4% (157,2 pontos), enquanto os de menor renda também cresceram 3,4% (133,5 pontos).