Consumidor está inseguro para gastar

0
3

O Índice Nacional de Confiança ACSP/IPSOS de outubro registrou aumento na confiança do consumidor para 157 pontos, contra 154 pontos de setembro, e 152 em outubro de 2010. De acordo com o presidente da Associação Comercial de São Paulo, ACSP, e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo, Facesp, os dados da pesquisa sugerem que o consumidor continua confiante, mas está em um compasso de espera, aguardando uma definição melhor do quadro econômico global.
Segundo a pesquisa, a região Sul continua na liderança do otimismo de outubro, co 193 pontos, contra 192 em setembro. Em seguida a região Sudeste, com 169 pontos no mês passado, depois as regiões Norte e Centro-Oeste tem 143 pontos, enquanto a região Nordeste é a menos otimista com 120 pontos no último mês, contra 113 em setembro.
Outra análise obtida pela pesquisa afirma que a classe C continua sendo a mais otimista, com 163 pontos em outubro, contra 155 em setembro deste ano. A classe social é responsável pela alta da confiança. Em segundo lugar, estão as classes A e B, com 155 dos pontos no mesmo período, contra 135 pontos das classes D e E.
A situação financeira em outubro, caiu de 47% dos entrevistados que consideravam sua situação financeira boa, para 46%. Os que acham que sua situação financeira piorou subiram de 29% dos entrevistados em setembro, para 30% em outubro. O placar encolheu um pouco, sinalizando que o consumidor continua sentindo as medidas de aperto de crédito e da alta da inflação no orçamento de hoje.  
Em relação à confiança do consumidor no futuro da economia da sua região, os que acham que ela vai ficar mais forte subiram de 42% em setembro, para 43% em outubro. Já a confiança dos entrevistados que acham que ela vai ficar mais fraca mantiveram-se estáveis em 14% outubro. A confiança na condição financeira pessoal dos entrevistados em relação aos próximos seis meses subiu de 52% em setembro, para 54% em outubro. Os que acham que a situação financeira vai piorar caíram de 12% em setembro, para 11% em outubro.