Consumidor está mais “infiel”

0
1


Os consumidores estão cada vez menos fiéis aos canais de compra. Estudo envolvendo mais de 70 categorias nas áreas de alimentos, higiene, limpeza e bebidas não-alcoólicas, produzido pela LatinPanel, instituto de pesquisa de consumo domiciliar, revela que os brasileiros estão pulverizando os gastos em diversos canais de abastecimento.

Para se ter uma idéia, 61% dos consumidores concentravam as compras em três canais ou mais em 2001. No ano passado, esse índice saltou para 77%. “A estabilidade da moeda levou o consumidor a planejar melhor as compras e mudar os comportamentos e hábitos. Ele passou a pesquisar preços, aumentar a freqüência de compras, buscar novos canais para o abastecimento do lar, entre outros”, avalia Margareth Utimura, diretora comercial da LatinPanel.

Os supermercados foram os que mais perderam participação para os outros canais de compra (drogarias, perfumarias, porta a porta, armazéns,etc). Em 1999, os supermercados concentravam 73% das compras contra 65% no ano passado. Os outros canais apresentaram alta no mesmo período saltando de 27% de participação em 1999 para 35% em 2005.

“Cada vez mais as lojas varejistas de todos os portes e especialidades vêm se profissionalizando. Elas sofisticaram-se e hoje oferecem diversos atrativos e diferenciais ao consumidor. Surgem as drogarias requintadas, as butiques de carnes que oferecem a ´solução completa para o churrasco´, as galerias de pães, os sacolões especializados. A mudança foi percebida pelo consumidor, que reduziu as compras nos supermercados e começou a freqüentar mais esses estabelecimentos”, analisa Utimura.

O perfil do consumidor que migrou para esses canais alternativos está concentrado nas classes DE. Esse segmento da população já responde por 53% das vendas do pequeno varejo ou varejo tradicional, ante 16% da classe AB. No porta-a-porta, a classe DE também é predominante (45% dos compradores) contra 22% da classe AB. Já no canal supermercado, há grande concentração do público AB, que responde por 23% da população e 35% das vendas nesses estabelecimentos. No canal farma predominam as classes ABC, com destaque para a classe C, que responde por 37% das vendas de higiene pessoal somente neste canal.