Cuidado nas redes sociais!

0
2
A limpeza feita pelo Facebook nos últimos meses, ao remover as contas inativas da plataforma, causou uma queda significativa na média de crescimento dos fãs dos perfis empresariais de cinco segmentos, conforme aponta o relatório #MS360FAAP, desenvolvido pelo Núcleo de Inovação em Mídia Digital da Fundação Armando Alvares Penteado (NiMD FAAP) em parceria com a Socialbakers.
No setor de “Bens de Consumo”, por exemplo, o estudo indica que houve uma retração. Nos três últimos meses de 2014, o crescimento médio de seguidores havia sido de 1.372.539. Já no último levantamento, de janeiro a março de 2015, os números mostram que não houve crescimento, mas uma perda de 172 seguidores, em média, por página, nessa categoria. O mesmo cenário pode ser observado nos demais segmentos estudados. O “E-Commerce” registrou, nos últimos três meses de 2014, um crescimento médio de 81.962 curtidores. Já no primeiro trimestre de 2015 ganhou apenas 36.801. “Começamos a enxergar a retração no crescimento do número de fãs nas páginas do Facebook desde o meio do ano passado”, explica o professor Thiago Costa, coordenador do curso de Comunicação em Mídias Sociais da FAAP e um dos pesquisadores envolvidos no projeto. “Além da queda no crescimento, no trimestre passado, alguns setores como ´Marcas´ e ´Mídia e Notícias´ também reduziram o número de fãs nas suas páginas”, complementa.
Esse cenário já era previsto, considerando que os perfis removidos não entram mais na conta de seguidores de uma página. Por outro lado, para o professor Eric Messa, coordenador geral do NiMD FAAP, essa limpeza ajuda no desempenho das páginas e melhora o índice de engajamento com os usuários. “Além de também poder revelar empresas que utilizaram métodos ilícitos para angariar fãs”, diz. Na análise dos professores, o relatório também mostra que o uso das plataformas de mídias sociais pelas empresas parece estar sendo aperfeiçoado em alguns setores. A categoria “E-Commerce” registrava tempo médio de resposta às interações do consumidor de 21 horas e 10 minutos entre outubro e dezembro de 2014. Já entre janeiro e março de 2015 esse tempo caiu para 8 horas e 53 minutos. “Ainda é um número alto, mas demonstra interesse real desse setor em atender melhor aos seus clientes”, pontua Costa. No entanto, a categoria “Marcas” saiu de uma média de 5 minutos – tempo considerado excelente pelo professor – para atender aos clientes em 6 horas e 31 minutos.
Os dados levantados pelo relatório #MS360FAAP analisam apenas as Top 100 marcas brasileiras com mais atividade nas redes sociais. No Twitter, o aumento no número de seguidores do ranking de marcas se manteve estável. No último trimestre do ano passado havia sido de 14.105. Em 2015, nos três primeiros meses do ano, foi de 16.839. O Instagram, por sua vez, vem se mostrando como um dos focos de maior interesse dos internautas brasileiros, já que a média de seguidores dos perfis das marcas que terminou 2014 em 35.039 e abriu 2015 com 60.757 usuários. Vale destacar que 96% das fotos postadas não usam filtro nenhum, apesar do constante aperfeiçoamento realizado pela plataforma em relação a esse recurso.
Vale destacar ainda que:
– Mesmo com o volume de crescimento de curtidores caindo, a interação no Facebook está em ascensão. A categoria “Marcas/Institucional” que teve em média 96.764 interações no período de outubro a dezembro de 2014 subiu para 10.207.611 de média de interações.
– No YouTube, os usuários estão apertando mais o botão “Gostei”. Os vídeos das marcas Top 100 do Brasil receberam em média 61 marcações positivas nos três primeiros meses deste ano, contra média de 48 no período anterior.
– Das postagens feitas pelas marcas no Instagram, 28% usam de duas a três hashtags.
O #MS360FAAP oferece dados importantes para estrategistas de marketing e planejadores de campanhas de mídias sociais, a partir do estudo do desempenho dos 100 maiores perfis nas quatro principais plataformas de redes sociais utilizadas para o relacionamento entre as marcas e seus consumidores: Facebook, Twitter, Instagram e Youtube. Com dados acumulados dos três meses anteriores à publicação, o relatório é apresentado em formato de infográfico, no qual é possível enxergar o comportamento das marcas e de seus seguidores.