Custeio baseado em atividade e tempo

0
2



Qual o empresário que não deseja aumentar os lucros e gerenciar de maneira eficaz o seu negócio? Na maioria dos casos, a variedade de produtos, a complexidade dos sistemas de logística, os variados perfis de clientes e até mesmo a mão-de-obra utilizada impossibilitam um efetivo modelo de gestão que contabilize adequadamente a relação entre os custos e a lucratividade das empresas. Em “Custeio baseado em atividade e tempo”, da Campus-Elsevier, os autores Robert Kaplan e Steven Anderson apresentam o conceito TDABC (Time-Driven Activity-Based Costing), que desenvolveram e aprimoraram ao longo dos últimos dez anos, numa complementação aos já tradicionais sistemas ABC (Custeio Baseado em Atividade) e Balanced Scorecard.


Trata-se de uma opção para que os os gestores disponham das informações necessárias para racionalizar os processos e gerenciar o relacionamento com clientes. “Com o TDABC os gestores gastam menos tempo e dinheiro com a coleta e manutenção de dados e passam a dedicar-se com mais empenho à solução dos problemas revelados pelo método – como processos ineficientes, produtos e clientes deficitários e excesso de capacidade”, afirmam os autores. Eles destacam também que “um modelo de TDABC para toda a organização, direcionado por dados sobre as transações, gera benefícios que vão além das oportunidades de melhoria nos processos. Tal modelo calcula a utilização da capacidade e a lucratividade total de produtos e dos clientes. Essas informações adicionais facilitam a tomada de decisões capazes de gerar ainda mais oportunidade para melhoria da lucratividade”.


A publicação é divida em duas partes principais. A primeira detalha os fundamentos do novo conceito e sua própria evolução. Kaplan e Anderson definem o custeio baseado em atividade e tempo como uma extensão do conhecido ABC, modelo de gestão amplamente utilizado por grandes empresas em todo o mundo. Desta maneira, traça a diferença principal entre estes sistemas: o fator tempo. “A abordagem time-driven evita o trabalho dispendioso, demorado e subjetivo de pesquisa de atividades, do ABC convencional. Para tanto, usa equações de tempo que, de maneira direta e automática, distribuem recursos ao longo das atividades executadas e no decorrer as transações processadas.”


Na segunda parte do livro, os autores exemplificam o TDABC por meio de estudos de casos, como o da Kemps LLC, importante empresa americana de laticínio. A empresa passou por uma intensa consolidação em sua base de clientes e, por isso, decidiu utilizar o TDABC para mensurar seus custos e lucratividade. “Após a construção e validação do modelo, a liderança de alto nível da Kemps agiu decisivamente para melhorar processos, racionalizar o mix e a variedade de produtos, modificar relacionamentos não-lucrativos com os clientes e estabelecer novos processos, que foram usados com sucesso para negociar novos relacionamentos”.


Ficha Técnica
Título: Custeio baseado em atividade e tempo
Autor: Robert Kaplan e Steven Anderson
Editora: Campus-Elsevier
Páginas: 320
Preço: R$ 75,00