Das compras online, 15% são via mobile

0
1
No mercado brasileiro, 15% das transações online já são feitas via dispositivos móveis. Conforme, aponta o MPI – Índice Trimestral de Pagamentos Móveis da Adyen. Em um país com mais de 200 milhões de habitantes, 61% da população adulta utiliza smartphones, segundo a Nielsen Ibope. E a previsão é que este número chegue a 57,8 milhões de usuários neste ano, de acordo com a Statista.
Os indicadores mostram que o volume de compras efetuadas via mobile cresce à medida em que o comércio eletrônico investe na otimização da experiência neste canal. Clientes da Adyen como Netshoes, Dafiti, Hering e Amaro têm registrado maior engajamento de seus consumidores em seus canais móveis de vendas. “Ter uma estratégia móvel tornou-se crucial para as empresas de varejo. O mobile representa mais de 50% do tráfego para o nosso site e 30% de conversão. Diante deste cenário, investir em inovação em tecnologia de pagamento é fundamental”, declara Leonardo Dib, CFO da Netshoes.
Além disso, a tendência do consumidor em utilizar cada vez mais tecnologia mobile, disponibilizada por empresas como 99Taxis e EasyTaxi, evidencia um aumento na confiança dos brasileiros em comprar produtos por meio de seus aparelhos móveis. “Oferecer tecnologias capazes de simplificar ao máximo a experiência de pagamento faz com que as empresas se tornem ainda mais preparadas para acelerar negócios por meio de seus canais mobile”, diz Jean Christian Mies, vice-presidente sênior da Adyen para a América Latina.
Mobile é o próximo passo 
Pela primeira vez, o MPI focou na indústria de viagens, que registrou no primeiro trimestre de 2016 um total de 15,5% das transações dos e-commerces realizadas por aparelhos mobile. Quando comparado à média de 32% das transações globais, os resultados representam enormes oportunidades de crescimento para as empresas de viagens dispostas a investir na experiência do cliente por dispositivos móveis.
Além disso, o Índice considera que, em termos de Tíquete Médio de Transação, o iPad lidera entre os diferentes tipos de aparelhos, com mais de US$ 365 para serviços de hospedagem e US$ 325 para as companhias aéreas. Seguindo o iPad, estão os tablets com sistema operacional Android, que registraram US$ 290 e US$ 266, respectivamente.
Nova geração de serviços
De acordo com dados, os serviços de hospedagem tiveram 17% das transações realizadas em dispositivos móveis. Muitas das empresas de serviços de hospedagem que mais crescem, como o HotelTonight, estão conquistando uma considerável fatia deste mercado com a possibilidade de realizar pagamentos in-app e experiência otimizada para navegadores móveis. Grandes players já estabelecidos, como redes de hotéis, deverão diferenciar os seus serviços com o fornecimento de uma experiência móvel sem atrito. “Os dispositivos móveis são totalmente pessoais, sendo importante que as funções dos aplicativos das empresas respondam às necessidades do consumidor em tempo real”, comenta Sam Shank, CEO do HotelTonight.
Chance de voar alto
A pesquisa da Adyen mostra ainda que 13% das transações das companhias aéreas são feitas por meio de dispositivos móveis. Este número pode ser ainda maior quando as empresas investem em mobile. Como os passageiros estão acostumados a usar seus telefones para interagir com as companhias, ofertas de outros tipos de serviços, como check-in no smartphone e atendimento ao cliente em redes sociais, podem aumentar significativamente o volume de negócios. A Transavia, por exemplo, constatou que 20% das suas transações são mobile, 65% superior à média do setor.
“Estamos caminhando para um futuro onde muitos clientes fiéis da indústria de turismo organizarão toda a sua viagem por meio de ferramentas in-app, desde a reserva até o checkout, e os métodos de pagamento são um passo fundamental para essa experiência”, explica Roelant Prins, chief commerce officer da Adyen. “Além de in-app, as empresas de viagens que também investem em experiências otimizadas para navegadores web já estão observando um aumento do volume de transações mobile de forma significativa”, finaliza o executivo.