De olho no público-alvo

0
0
Uma análise geográfica permite às empresas identificar regiões de alta concentração de público-alvo, e avaliar os locais onde atua considerando seus clientes e a atuação da concorrência, segundo Wagner Pacífico, diretor de parcerias e projetos da Multispectral. “Um ponto de venda ou de serviços atende pessoas que moram ou trabalham nas proximidades, e também quem passa por ali a pé ou de carro. Um estudo de geomarketing observa quantas pessoas moram, trabalham e transitam nas várias microrregiões de uma cidade, e aponta as regiões com maior potencial de consumo para uma determinada empresa e negócio, indicando a atuação dos concorrentes. Isso também se aplica a Municípios e Estados”, explica. 
O objetivo do geomarketing é aumentar o conhecimento sobre o mercado de atuação, pois, segundo o executivo, quando as informações de uma empresa estão dispostas em um mapa, é possível visualizar melhor diversos pontos. “Por exemplo, o empresário consegue identificar o local onde possui mais e menos clientes, o perfil de cada um, onde pode conquistar mais clientes, o potencial de compra, etc.”, conta.
Além de a metodologia ajudar a empresa a entender melhor o seu cliente, consequentemente melhora o atendimento, segundo o diretor. “Por exemplo, ao comprar um medicamento na farmácia, um cliente informa seu CPF para ganhar desconto. Além das informações de sexo e idade, no cadastro do cliente também consta seu endereço e CEP, e com isso é possível saber a renda média na região onde ele mora. Desta forma, a farmácia pode escolher qual desconto deve oferecer, em cada tipo de produto, para cada perfil de cliente”, exemplifica Pacífico. 
Na visão do diretor, o geomarketing é indicado para empresas que vendem produtos ou serviços para pessoas físicas, desde indústrias, distribuidores e comércio de todos os tipos. “São raros os casos onde o sucesso de um comércio não está relacionado com a sua localização”, afirma. Segundo ele, grandes empresas passaram a utilizar ferramentas de análises geográficas para auxiliar na tomada de decisão nos últimos anos. “Acredito que a cultura de usar o mapa diariamente, que existe hoje principalmente por influência do Google Maps, tornou o geomarketing mais acessível e procurado por todos os tipos de empresas”, conclui Pacífico.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO próximo desafio
Próximo artigoAtenção aos sinais de insatisfação