Dia das Crianças deve aquecer e-commerce

0
1



O período de vendas do varejo eletrônico para o “Dia das Crianças”, que vai de 28 de setembro a 12 de outubro, deve superar o faturamento do ano passado. Segundo levantamento da e-bit, empresa de informações sobre o comércio eletrônico, as lojas virtuais, às vésperas da data comemorativa, devem esperar por um crescimento de 35%, com faturamento aproximado de R$ 264 milhões em comparação aos R$ 196 milhões atingidos em 2006. Embora o Dia das Crianças não seja a data mais aquecida do varejo no comércio eletrônico – atrás de Natal, Dia das Mães e Dia dos Pais -, a expectativa é de que haja um crescimento significativo dada à performance do setor esse ano.

 

Na lista de produtos mais vendidos, eletrônicos, itens de informática, games e MP4 prometem estar entre os presentes preferidos pelas crianças nesse ano, o que reflete o “novo” desejo de consumo da geração “high-tech”. Mesmo assim, essas categorias devem vir abaixo dos livros – que se mantêm em primeiro lugar no ranking há pelo menos um ano e meio – e acima dos brinquedos, que costumam aumentar suas vendas, especialmente nessa época, conquistando uma melhor posição na tabela das categorias mais vendidas. Já para o segmento de Títulos de CDs, DVDs e Vídeos, a tendência é que as vendas continuem caindo – devido ao aumento do uso de formatos digitais.

 

“A expectativa da entrada de novos internautas em virtude da alavancagem de vendas de computadores e uso de banda larga trazem otimismo para o setor, pois significará mais consumidores virtuais. Continuamos com a boa maré do e-commerce para os próximos anos”, diz Pedro Guasti, diretor geral da e-bit.

 

Seguindo a tendência de maior gasto nas lojas virtuais pelos internautas, registrada no primeiro semestre de 2007, a expectativa é de que para a data comemorativa haja um aumento de 3% no tíquete médio em relação a 2006. Isso resulta num valor aproximado de R$ 300,00 – em 2006 esse valor era R$ 293,00 -, mesmo com deflação de 1,92% no canal web, conforme levantado pelo índice e-flation do Provar (Programa de Administração do Varejo da USP e o Canal Varejo).