Duas girafas divertem muito mais!

0
2
O brasileiro tem por característica ser um povo alegre, afável e que gosta de relacionamentos mais humanos. Com isso, as empresas procuram criar maneiras de também ter essa cultura no relacionamento com os consumidores. Afinal, uma empresa que não se comporta desse jeito, hoje, é vista como impessoal, fria e pode afastar o público. Pensando justamente em se aproximar dos consumidores, o Giraffas procurou uma forma de criar identificação, fãs e trabalhar com o lado divertido do público. Assim, deram forma às mascotes da marca, as girafas. O objetivo foi de “interagirmos mais, para engajarmos mais e, principalmente, para que o cliente se sinta ainda mais próximo da marca”, conta o diretor de marketing, Ricardo Guerra.
As girafas serviram principalmente no contato da empresa com os clientes nas redes sociais. Como detalha o diretor, são elas que dão a voz à marca na presença online, conversando com os clientes fãs, interagindo com ações, tirando dúvidas etc. Como foi o caso em que elas quiseram participar da campanha do Burguer King no Dia da Paz, havendo forte participação virtual do público. “É a forma que o Giraffas utiliza para se aproximar do seu consumidor, de maneira descontraída, junto dele e do jeito que o brasileiro, nosso consumidor, gosta: de maneira divertida, simples e verdadeira, com brasilidade”, afirma.
Sem contar que a utilização do brand persona como estratégia da marca é positiva, pois facilita o processo de comunicação. Como o personagem deve ser criado conforme o perfil dos consumidores desejados, a humanização do atendimento é maior. Dessa forma, conquista-o pelo diferente e pela identificação. “Apenas a entrega do produto ou serviço não é suficiente para muitas pessoas. Eles criam expectativas reais em cima de um relacionamento mais próximo com as empresas, troca de experiências, comunicação rápida, eficaz, etc.”, afirma Guerra. “Em um mercado competitivo, a empresa que mantém este contato com o cliente, consegue maior engajamento e, consequentemente, fidelização.”