O canal para quem respira cliente.

Efeito em cadeia é inevitável

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Governança é um assunto que preocupava somente as empresas sujeitas às leis de regulamentação e com ações na bolsa. Porém, as conseqüências negativas de uma má gestão afetam também empresas parceiras, fornecedores e clientes, gerando um efeito dominó. Para se exercer uma boa gestão, é fundamental que todas as empresas envolvidas no negócio se adequem. Esse é o conceito de Governança em Cadeia, um dos assuntos que será abordado na palestra de abertura do IV Command Center Meeting, evento que será realizado nos dias 19 e 20 de Maio, em São Paulo.
Na palestra serão apresentados também os conceitos de governança em vários níveis, desde o corporativo até a sua aplicação em TI e Telecom. Aspectos como regulamentação, concorrência, mudança de cultura, metodologias e infra-estrutura serão temas de discussão.
Efeito em cadeia – Elvízio Trigo Vanzo, diretor-geral da Brunise e responsável pelo conteúdo do evento, acredita que o efeito em cadeia na Governança Corporativa é inevitável. “Leis internacionais como a Sarbanes-Oxley e a Basiléia II levam grandes corporações e multinacionais a investirem em governança. A tendência é ocorrer um efeito em cadeia, onde todas as empresas que queiram se manter competitivas, mesmo não estando sujeitas diretamente às leis regulamentadoras, se adequarão por exigência de mercado”, observa.
Muitas empresas exigem que seus fornecedores adotem as práticas de governança, e nesse processo de adesão, as organizações descobriram que suas oportunidades de mercado aumentaram, seu sistema de garantia de qualidade se tornou mais confiável, ocorreram reduções dramáticas das queixas dos clientes, além de uma redução significativa em custos operacionais e aumento na demanda de seus produtos e serviços.
“Seja pela necessidade de adequação às regulamentações, pelo comprometimento com o mercado ou até mesmo para se alinhar com a concorrência, o fato é que as empresas investem cada vez mais em Governança e em breve essas práticas serão um padrão internacional”, explica Elvízio.
Governança em TI e Telecom – As boas práticas de governança corporativa infiltraram nas camadas de TI e Telecom, causando uma reviravolta nas tendências de gestão dessas áreas. Os executivos desses setores estão envolvidos na mudança cultural que essas práticas impõem: gerenciamento por processo e foco no serviço entregue aos usuários.
“Pesquisas recentes indicam que as empresas mais rentáveis estão implementando Governança de TI. Algumas adotando estruturas centralizadas, onde as decisões passam por um comitê. Outras adotando estruturas mais distribuídas, dando maior autonomia às unidades de negócios para atender com mais eficiência as necessidades dos clientes. Em geral, há um consenso: não é possível alinhar a TI aos negócios sem uma política de governança associada”, conclui o diretor-geral da Brunise.
Serviço
Quando: Dias 19 e 20 de maio
Local: Hotel Ceasar Business Faria Lima – Rua das Olimpíadas, 205, Vila Olímpia – São Paulo/SP
Informações e inscrições pelo telefone (11) 3877 0624

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima