Estratégia gaúcha para avaliar desenvolvimento

0
2

O Rio Grande do Sul será o primeiro Estado do país a aderir à parceria que promoverá avaliações da competitividade nacional. A assinatura do protocolo de intenções com o Movimento Brasil Competitivo (MBC), o Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade (PGQP), a Fundação Dom Cabral (FDC) e o World Economic Forum (WEF), ocorre nessa segunda-feira, dia 5 de julho, às 19h30min, no Gabinete da Presidência da Fiergs (Av. Assis Brasil, 8787), em Porto Alegre (RS). Já confirmaram presença o Governador do Estado, Germano Rigotto; o gerente regional sênior do WEF na América Latina, Felix Adrian Howald; o presidente do PGQP e do Conselho Superior do MBC, Jorge Gerdau Johannpeter; e o representante da FDC, Carlos Arruda. Com a adesão, o Rio Grande do Sul será o pioneiro a participar no estudo nacional da competitividade entre os Estados. A formalização nacional entre as entidades parceiras que realização este estudo acontece durante a abertura oficial do 5º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade, nessa terça-feira, dia 6 de julho, às 9h.
O objetivo desta parceria está na conjugação de esforços para viabilizar a promoção de ações que possibilitem elaborar e avaliar os índices de competitividade do Estado, mediante a realização de estudos técnicos, de desenvolvimento de projetos e metodologias conjuntos, que contemplem as missões e os objetivos dos participantes. Os resultados serão utilizados para fornecer as informações dos gaúchos no Relatório Brasil de Competitividade, que servirá de diagnóstico e subsídio para a formulação
de estratégias visando a busca permanente de desenvolvimento nos Estados.
Os critérios do estudo brasileiro serão semelhantes aos do Relatório de Competitividade Global, realizado pelo WEF em 102 países. No último estudo, divulgado em novembro de 2003, o Brasil perdeu nove posições, caindo do 45° lugar para 54° em um ranking de 102 países. Através de pesquisa com as principais lideranças do país, busca identificar como estão as questões envolvendo o ambiente macroeconômico, o desenvolvimento e difusão de tecnologia e a confiança nas instituições públicas. O WEF é reconhecido pela organização do Fórum Econômico de Davos, na Suíça. A Fundação Dom Cabral, de Minas Gerais, é a responsável
pela coleta dos dados brasileiros de competitividade que constam na pesquisa. O MBC, criado em 2001, é reconhecido como uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) voltada ao estímulo e ao fomento do desenvolvimento da sociedade brasileira. O Movimento tem como objetivo principal viabilizar projetos que visam o aumento da competitividade das organizações e da qualidade de vida da população.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3221 2663