Executivos exageram no uso do e-mail

0
1


Estudo da Symantec Corporation, realizada com 1.700 usuários de Internet, identificou que 75% dos entrevistados admitiram estar viciados em e-mail, sendo que um em cada cinco ficou em uma nova categoria chamada de “dependentes”. Os “dependentes” são indivíduos que verificam e-mail compulsivamente e entram em pânico quando não conseguem acesso.

A pesquisa realizada pela Dynamic Markets identificou que os entrevistados se dividem em quatro categorias distintas em relação ao seu uso de e-mail. Essas categorias são:

– O Disciplinado: 49% afirmaram ser “disciplinados” – relaxados em relação a e-mail, mas rigorosos em relação a quando e onde usá-lo, limitando o uso ao horário de expediente e aos locais de trabalho.

– Os Dependentes: 21% dos entrevistados afirmaram que verificam e-mail compulsivamente, entrando em pânico quando não têm acesso.

– Os Fóbicos: 10% dos entrevistados afirmaram ser tecnofóbicos em relação a e-mail, usando somente as funcionalidades mais básicas e preferindo comunicação verbal.

– Os Sobrecarregados: 6% dos entrevistados são bombardeados por e-mails e encontram dificuldade de lidar com isso. Muitos e-mails não são lidos, e usuários temem o momento de conectar-se.

“As características de cada uma dessas categorias não representa surpresa. Mas o que é mais preocupante é o fato de aproximadamente 40% da amostra ter uma abordagem pouco saudável em relação ao e-mail. O e-mail pode nos oferecer grandes benefícios, mas usuários precisam observar o modo como usam e a freqüência com que acessam. Funcionários precisam de auto-disciplina para gerenciar os e-mails”, disse Lindsey Armstrong, vice-presidente sênior da Symantec Corporation na EMEA.

Em 2005 houve um crescimento substancial na quantidade de e-mail que indivíduos precisaram gerenciar, com 91% das empresas dizendo que esse volume aumentou nos últimos 12 meses, sendo este aumento de 47% em média. Como resultado, funcionários estão gastando uma quantidade de tempo cada vez maior com e-mail. A pesquisa mostra que 52% gastam duas horas ou mais por dia enviando e recebendo mensagens, com 15% que gastam quatro horas por dia – o equivalente a mais de dois dias úteis por semana.

O advento do e-mail remoto também parece ter tido um impacto no dia de trabalho. Dos entrevistados, 31% usam um dispositivo móvel para acessar e-mail, com 34% verificando e-mail logo que levantam pela manhã e 30% verificando como a última coisa que fazem à noite. Além disso, 72% dos entrevistados verificaram seu e-mail fora do escritório em situações não relacionadas a trabalho, sendo que 40% desses o fizeram durante as férias e 38% durante licença médica.

Contudo, a pesquisa também identificou algumas atitudes muito positivas em relação ao e-mail. Enquanto 27% dos entrevistados afirmaram que verificar e-mail fora do horário aumenta o estresse, uma proporção significativa de 23% diz que a ação diminui o estresse. E dos usuários de acesso remoto a e-mail, 43% acreditam que o acesso fora do escritório os torna mais eficientes, e 75% acreditam que é sua responsabilidade, e não de seus empregadores, manter o uso de e-mail sob controle.