O canal para quem respira cliente.

Falta de produtos nas gôndolas

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Oito em cada cem produtos procurados no momento da compra não estão disponíveis para o cliente nos supermercados brasileiros, revelou o 1° Índice Nacional de Rupturas, estudo realizado no ano passado pela Associação ECR Brasil, em parceria com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e ACNielsen. Com a ruptura, ou falta de produto no varejo, seja qual for a dimensão do problema, todos perdem. Indústria e comércio não vendem e o cliente fica sem a mercadoria ou perde tempo indo atrás da sua marca preferida em outro estabelecimento.

Com o objetivo de diminuir o número de ocorrências, o Comitê Cadeia de Abastecimento, da Associação ECR Brasil, definiu como prioridade para este ano a criação de um processo de pesquisa de ocorrências e causas de ruptura, que será recomendado como ferramenta básica de análise entre parceiros de negócios para minimizar o problema. Com o levantamento dessas informações será possível descobrir a verdadeira razão da falta, chamada de causa-raiz, auxiliando varejo e fornecedores a identificar todas as causas da ruptura.

A pesquisa será realizada nas condições mais próximas da realidade do cliente, representando a situação da loja em diferentes dias da semana e horários, e vai levar em conta itens de alto, médio e baixo giro, sempre em suas posições originais na gôndola. Ela encontra-se em fase de experimentação. Para isso, o comitê criou uma série de instrumentos (planilhas, roteiros de pesquisa etc.) que estão sendo testados em projetos-pilotos realizados entre as empresas Wal-Mart, Sonae, Supermercados Zona Sul, Coop, Grupo Pão de Açúcar, Colgate, Tenda Atacadista, Ponto Frio, Coca-Cola, Nestlé, Gillette, Procter & Gamble, Univeler, Kraft Foods, entre outras.

A partir dos resultados desses pilotos, os quais devem ser publicados até o fim deste mês, será ajustada a metodologia e os instrumentos de pesquisa, cuja utilização, tanto pelo fornecedor como pelo varejista ou atacadista, vai facilitar a análise dos problemas em cada loja ou centro de distribuição, já que os fatos serão observados sob perspectivas iguais. Para cada uma das principais causas-raiz o comitê vai desenvolver recomendações de processos e melhores práticas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima