Fim do “mais do mesmo”?

0
0
Cada vez que o mercado se desenvolve mais e mais tem acesso às novas tecnologias e ferramentas, que permitem com que preste um serviço de melhor qualidade, mais ele foca na experiência e satisfação do cliente. Afinal, mesmo com a crise financeira presente no País há dois anos, a quantidade de empresas continua enorme saturando o mercado. Assim, ficou claro, neste ano, que junto com produtos de excelência, os negócios precisariam pensar em soluções que agreguem valor ao público. Para Roberto Gandolfo, CEO da SpoonRocket, inovação foi o passo principal deste 2016.” Não basta prover mais do mesmo. É necessário criar soluções inteligentes, que resolvam a vida dos clientes”, diz.
Pensando nisso, Gandolfo conta que o Grupo iFood trouxe ao País a SpoonRocket, justamente com o intuito de atender o cliente com aqueles restaurantes próximos do local em que ele está, mas que até então não tinha um serviço de delivery. Segundo ele, o aplicativo, que foi lançado em setembro deste ano, tem como diferencial o seu objetivo, que é realizar um entrega eficiente e rápida – em 35 minutos. “Temos dois clientes”, detalha, “de um lado o restaurante e, do outro, o usuário final do aplicativo”. Com o primeiro público, o trabalho é voltado em agregar valor no relacionamento, mas sem aumentar a taxa cobrada. “Mais do que isso, focamos em estar lado a lado para construirmos ofertas únicas para os usuários finais.”
Aliás, a própria situação econômica atual acabou se tornando uma grande aliada para o lançamento e consolidação do aplicativo no mercado. Como as pessoas se encontram em contenção de gastos, elas acabaram diminuindo a saída de casa para comer – de acordo com o CEO, a queda foi de 20% ante 2015. O que acabou forçando os restaurantes a investirem em serviços de delivery, como o da SpoonRocket, para eles mesmo irem até o consumidor. “Isso foi fundamental para muitos compensarem essa perda e, em alguns casos, até garantirem o crescimento do estabelecimento, mesmo em um ano tão difícil”, conta.
Resultado disso não só foi o crescimento da empresa em si, mas o surgimento de concorrentes, com o UberEats, que passaram a abordar o mesmo mercado que eles atendimento. Já mostrando que 2017 promete alguns desafios a serem driblados. “Será uma competição forte entre as duas marcas, onde quem sai ganhando é o cliente final”, declara o executivo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAno de novas oportunidades
Próximo artigoUfa… acabando!