O canal para quem respira cliente.

Garantindo mudanças Pré e Pós-ITIL

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Dario Licht
A febre pela adoção dos modelos de referência ITIL e CobiT, trouxe como conseqüência uma visão distorcida sobre como devemos “arrumar a casa”. É como se todo o mercado dissesse: “Para que focalizar meus esforços em algo que já sei fazer”.
Desta forma, os olhos se voltam para as disciplinas mais jovens, como Nível de Serviço, Configuração e Continuidade, em detrimento das demais Mudanças, Problemas e Capacidade.
Há duas décadas, as organizações reconheciam o quão essencial era o planejamento e a administração das mudanças. Entretanto, os padrões de controle eram substancialmente menos relevantes que os atuais, a TI era menos mutável, uma vez que os movimentos na evolução tecnológica eram expressivamente mais lentos.
Hoje, o quadro mudou. Não há espaço para cometer os mesmos enganos de outrora. O endosso das soluções paliativas – “provisório para sempre” – em função dos efeitos residuais sobre mudanças mal sucedidas, demonstram a total inabilidade da empresa em assegurar efetivamente que os planos de retorno funcionem, caracterizando, assim, a imaturidade desse processo.
Agora no pós-ITIL, potencializado pelas exigências de Governança, o Gerenciamento de Mudanças se ampliou, ganhou novas atribuições, tais como: avaliação dos riscos das mudanças com vistas ao possível impacto sobre os negócios; estudo de viabilidade da mudança em termos corporativos; e a necessidade de informações de outras disciplinas (diretamente capacidade, continuidade, e configuração) como subsídios para a tomada de decisão sobre a mudança.
No paradigma Pré-ITIL, ´mudanças´ era penalizada pela falta de integração com a gestão de negócios por conta de seu caráter operacional. Pós-ITIL a dinâmica da nova economia obrigou-a a ocupar sua posição de destaque: o tático.
Sob o aspecto financeiro, o papel do gerenciamento de mudanças no novo contexto permite uma avaliação mais minuciosa, na contenção dos custos associados à própria mudança.
As organizações muito se dedicaram a investir em formação profissional, entendimento dos mecanismos que regem este processo, e em ferramentas sofisticadas que o suportem, mas ainda assim não atingiram o alvo. O que faltou? Certamente, um projeto dedicado a elevar o grau de maturidade desta disciplina, que irá rever e garantir suas políticas e interdependências.
Para viabilizar a solução esperada de forma perene, diversas organizações estão lançando mão de auxílio externo – empresas com expertise em análise de gap e maturidade – alguém que seja isento, com visibilidade global; que esteja verdadeiramente comprometido com os resultados e entregue serviços com excelência.
O foco consiste em não calcular o retorno sobre os investimentos dos projetos, mas sim fazer a análise dos riscos da não implantação.
Dario Licht é engenheiro eletrônico, responsável pela Arquitetura e Gestão de Projetos da Brunise Informática

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima