Gerenciamento de redes traz benefícios

0
4

Laerte Chagas Sabino
Quem nunca passou pela situação de estar em um local distante, necessitando sacar dinheiro e, quando encontra um caixa 24 horas, se decepciona ao ler a mensagem “caixa fora do ar, favor entrar em contato com nossa central de atendimento…”? Ou ainda, quando acaba de efetuar uma compra numa loja e na hora de fazer o pagamento com um determinado cartão de crédito descobre que não pode, pois o “sistema caiu”? Situações como essas são bastante comuns em se tratando de sistemas que funcionam em rede, ou seja, em que as informações estão distribuídas entre diversos computadores interligados por redes próprias ou ainda – mais comum agora – pela internet.
Mas vamos aproveitar os exemplos acima e mostrar que não é só o cidadão comum ou consumidor que sai perdendo neste caso. Imagine o prejuízo que uma operadora de cartões de crédito terá se, na véspera do Natal ou do Dia das Mães, tiver problemas com os sistemas e o consumidor não puder usar o cartão da sua bandeira. São milhões de reais em prejuízo, pois o comerciante sempre trabalha com outras operadoras de cartões e, por parte do consumidor, a troca é imediata neste caso. Ou seja, a movimentação financeira que iria passar pela primeira operadora acaba se transferindo para o concorrente. Além do prejuízo financeiro, ainda fica o dano na imagem, difícil de quantificar, tanto para o comerciante como para a operadora.
Mas por que isso ocorre? A resposta muitas vezes está na falta de investimento no gerenciamento da rede. As redes e os sistemas de computadores estão cada vez mais presentes na vida das pessoas: para aquele que vai fazer uma ligação telefônica, para aquele que vai realizar um serviço bancário pela internet, para quem vai pegar um avião, ou mesmo para aquela empresa que tem vários departamentos interligados por um sistema de computador ou uma pequena rede de lojas, integrando toda sua operação comercial.
Quanto mais os negócios das empresas se apóiam em redes e sistemas de computadores, mais crítico torna-se garantir a sua confiabilidade. Afinal, como em todas as áreas corporativas, problemas ocorrem, e a pergunta é como evitar que os problemas causem impactos aos negócios e clientes. Nesse sentido, companhias de maior porte já estão há algum tempo investindo em soluções para gerenciar pró-ativamente suas redes, pois sabem que se estas falharem, seus negócios literalmente param.
A área de gerência de redes e sistemas pode ajudar também as empresas de médio e até de pequeno porte a tornarem suas infra-estruturas de TI mais robustas. Por exemplo, pode-se monitorar remotamente, em tempo real, todas as características de um servidor corporativo, como, por exemplo, utilização de memória, de disco rígido, etc. O acompanhamento destes, e de outros parâmetros da rede permite prevenir, e detectar rapidamente a ocorrência de problemas. Assim, sempre que um desses parâmetros desvia-se do normal, o sistema de gerência pode enviar um aviso por e-mail, SMS ou Pager para a equipe de suporte técnico, para que se investigue o problema antes que o servidor pare ou que os usuários da aplicação tenham impactada a sua utilização. Trata-se de uma das funcionalidades mais simples das soluções em gerência.
No caso de uma falha repentina, digamos, num caixa eletrônico, o sistema de gerenciamento, além de auxiliar na detecção, auxilia no diagnóstico e, interligado a outros sistemas de apoio, pode acionar diretamente a equipe técnica mais próxima para fazer os ajustes necessários no menor tempo possível. Com uma rede bem gerenciada, as empresas resolvem a maioria das falhas antes dos clientes perceberem e registrarem as reclamações.
Os investimentos na área de gerenciamento devem ser dimensionados de acordo com o porte da empresa, o tamanho da rede, e a criticidade dos serviços providos através da mesma. Nesse sentido, ainda outras funcionalidades podem ser agregadas, como por exemplo o “Acordo de Nível de Serviço”, em que uma empresa (por exemplo uma operadora) ou mesmo a área de TI de uma corporação garante a seus usuários e clientes que a rede e outros serviços que ela presta ficarão, digamos, 99,9% do tempo no ar, ao longo do ano.
Empresas que já utilizam o gerenciamento de redes acumulam benefícios. A redução dos prejuízos causados pela indisponibilidade da rede e o corte de custos provocado pela otimização de processos operacionais são os aspectos que mais atraem as empresas e são apenas os primeiros resultados efetivos da tecnologia. É importante destacar, contudo, que para serem eficazes as soluções requerem elevado nível de qualificação e experiência em sua implantação, uma vez que requerem bom conhecimento de redes, processos operacionais e das próprias ferramentas. Os executivos devem ter certeza de antemão, não só quanto ao sucesso da implementação, mas também em relação à eficiência da consultoria e do posterior suporte técnico.
Laerte Chagas Sabino é diretor da Ícaro Technologies, fornecedora de soluções de missão crítica para gerência de redes, segurança digital e e-business. ([email protected])