IDV espera aumento em agosto

0
9
Após uma queda no realizado das vendas de 0,7% em julho, em comparação com o mesmo mês do ano anterior, a expectativa dos associados do IDV, Instituto de Desenvolvimento do Varejo, para este e os próximos dois meses é de um crescimento de 3,1% em agosto, 2,8% em setembro e 3,1% em outubro. Esta foi a constatação do IAV-IDV, Índice Antecedente de Vendas, estudo realizado mensalmente pelos associados do IDV.
Em junho o IAV-IDV apresentou crescimento de 4,4%, enquanto a Pesquisa Mensal do Comércio, PMC, do IBGE, apontou 0,8% na comparação anual. Nos últimos 16 meses o IAV-IDV demonstrou aderência com o indicador do IBGE, mas em junho houve um descolamento dos índices, sinalizando que o mercado sofreu a desaceleração antes dos associados do IDV. O varejo de bens não duráveis, que responde em sua maior parte pelas vendas de super e hipermercados, foodservice e perfumaria, apresentou aumento de 0,11% em julho de 2014, em comparação com o mesmo mês do ano anterior, abaixo do IAV de 0,69%. Em relação aos próximos meses, a expectativa é de crescimento de 1,7% em agosto e setembro e 1,6% em outubro.
Já o setor de bens semiduráveis, que inclui vestuário, calçados, livrarias e artigos esportivos, ficou acima do IAV em julho, com estimativa de crescimento acelerado para os próximos meses de 6,6% em agosto, 6,2% em setembro e 7,6% em outubro. Para o segmento de bens duráveis, os associados divulgaram crescimento de 1,2% em julho, em relação ao mesmo mês do ano anterior. Para os meses seguintes, a expectativa de crescimento é de 1,9% em agosto, 1,1% em setembro e 0,9% em outubro.
“Os primeiros sete meses de 2014 apresentaram indicadores expressivamente superiores aos de 2013, com média de crescimento do IAV-IDV de 4,6% contra 2,3% no ano passado, mas em virtude do cenário macroeconômico, o mercado espera a manutenção ou leve redução nesse ritmo de crescimento, porém, ainda apresentando crescimento do varejo bastante superior ao PIB nacional”, afirma Flávio Rocha, presidente do IDV. “O alinhamento do IAV-IDV com a PMC foi muito forte no primeiro semestre de 2014, com média de crescimento do IAV-IDV de 5,3% contra 4,3% da PMC, com descolamento em junho. O cenário macroeconômico se mantém, com alta da inflação, que mesmo com a desaceleração de julho, continua minando o poder de consumo e a confiança do consumidor; baixa confiança dos consumidores e maior rigor na concessão do crédito. Por outro lado, há aspectos positivos fortes, como a estabilização do endividamento das famílias e baixos índices de inadimplência e de desocupação”, finaliza.