O canal para quem respira cliente.

Inadimplência recua 1,6% em maio

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin


Em maio, o índice de cheques devolvidos no Brasil (2,65%) apresentou queda de 1,6% frente ao de abril (2,69%). Já na comparação com maio de 2004 (2,28%) o indicador subiu 16,1%, revela pesquisa mensal da Telecheque, que mede a inadimplência considerando o volume financeiro e não a quantidade de folhas de cheques devolvidas.

Segundo José Antônio Praxedes Neto, vice-presidente da Telecheque, “a queda da inadimplência é reflexo da oferta maciça de crédito no mercado, o que a curto prazo permite que o consumidor honre suas dívidas com mais facilidade. No entanto, deve-se ter cuidado, pois a longo prazo este fator pode agravar o descontrole financeiro típico dos brasileiros”.

De acordo com o estudo, o índice de cheques honrados foi de 96,71%, apenas 0,1% maior em relação ao de abril e inferior 0,4% na comparação com maio do ano passado. O índice de roubados (0,64%) diminuiu 3,3% frente ao do mês anterior e subiu 10,6% em relação ao do mesmo período do ano passado.

A pesquisa também apontou aumento de 18,3% no valor médio dos cheques transacionados no varejo em relação ao mesmo período do ano passado, que de R$ 104,40, em maio de 2004, passou para R$ 123,40. As compras com cheques pré-datados representaram 68,4% do montante de transações e os pagamentos à vista 31,6%.

Destaques do mês – Os Estados com os maiores índices de cheques honrados foram Goiás (97,45%), seguido do Paraná (97,28%) e Santa Catarina (97,17%). Já o Estado que registrou maior índice de cheques devolvidos foi Mato Grosso, com inadimplência de 5,62%. Na comparação com abril houve aumento de 63,8%. Em segundo lugar apareceu o Estado do Rio Grande do Norte, com índice de devolvidos de 4,38%, maior 8,4% frente ao do mês anterior (4,04%) e 29,1% em relação ao de maio de 2004 (3,40%). O Amazonas foi o terceiro colocado, com índice de inadimplência de 3,99%, menor 13% na comparação com abril (4,58%) e 23,5% maior no comparativo com o mesmo período do ano passado (3,23%).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima