Indústrias Anhembi conclui projeto de BPM

0
0


A Gaia Technologies, empresa brasileira de desenvolvimento de tecnologia de BPM (Business Process Management), implementou um projeto que envolveu o mapeamento completo de todos os processos da Indústrias Anhembi, fabricante de produtos de limpeza. O mapeando foi desde o planejamento estratégico à gestão do RH, passando por produção, desenvolvimento de novos produtos, logística, força de vendas, geração de receita, contabilidade e acompanhamento orçamentário. O projeto foi concluído no período de março a julho de 2006.

A necessidade de implementar um projeto de BPM se deu para que a Indústrias Anhembi retomasse a implementação de um ERP, que havia sido abandona justamente por falta de conhecimento e controle sobre os processos internos. A empresa queria trocar o ERP caseiro usado até então, que enxerga os setores de finanças, contábil, vendas e estoque, por um sistema mais robusto e que permitisse à empresa gerir os negócios a partir de uma visão mais ampla do mercado. Após um período de pesquisa, a empresa optou por um sistema da NewAge, que demonstrava se adequar às necessidades.

O entusiasmo inicial do projeto foi aos poucos se transformando em frustração e, após um período de cerca de 10 meses após a aquisição do ERP, a empresa ainda não havia conseguido implementar o software. A gerente de TI das Indústrias Anhembi, Silvana Bianchin, conta que foi contratada pela empresa em dezembro de 2005, para retomar o processo de implantação do ERP. “Foi então que começamos a perceber, já em 2006, que o problema não era o sistema de gestão escolhido, mas sim a falta de conhecimento preciso sobre nossos processos internos. Não sabíamos com rigor de onde vinham e para onde deveriam ir as informações, nem as pessoas responsáveis por elas. Sem antes fazer essa lição de casa, vimos que não teríamos sucesso”, explica.

Mas agora, a visão estruturada de cada processo está permitindo à Indústrias Anhembi corrigir problemas aparentemente simples, mas que sem mapeamento não eram sequer enxergados, como ausência de um método de avaliação dos funcionários e de plano de carreiras, força de vendas não alinhada às demandas do marketing e burocracia excessiva na contabilidade.

De acordo com Silvana, agora a empresa sabe como corrigir as disfunções e então tornar cada processo mais eficiente. “A próxima etapa do projeto será o monitoramento e gerenciamento de nossos processos. Estamos também em processo de licitação para aquisição de um ERP, uma vez que agora temos real conhecimento sobre as atividades da empresa”, comenta a executiva.