Inovação e valorização caminham juntas

0
3



Autor: David Lima Jr.

 

Todos querem inovar, por isso, muitas ideias surgem com o objetivo de identificar e/ou propor mudanças nos processos de fabricação e criação de produtos. As transformações vêm para manter muitas empresas em crescimento e atuantes no mercado. Na busca por melhorias, as companhias acabam identificando novas tendências do mercado e apostando nelas. Curiosamente, na contra mão de tudo isso, muitas se mantêm com a mesma mão de obra, cujas habilidades permanecem as mesmas. Desejam obter resultados diferentes com o mesmo pessoal, com as mesmas capacidades. Há um fato a ser considerado.

 

Para a obtenção do aperfeiçoamento de resultados, é necessário que as empresas passem a desenvolver ações que valorize os profissionais, tendo em vista que são eles os maiores responsáveis pelo sucesso das inovações propostas. A receita do sucesso, diante de uma competitividade cada vez mais acirrada e competente, tem como ingredientes fundamentais, as estratégias, a motivação, o comprometimento e o envolvimento dos funcionários nesse novo cenário de mudanças.

 

A capacidade de inovação é fator determinante para que as empresas se mantenham no mercado. A mudança é o único movimento que nunca muda. Aliás, ela faz parte da rotina da sociedade atual e, por consequência das organizações. Nesse novo cenário, é necessário que as empresas, sejam elas pequenas, médias ou de grandes implantem, de modo continuado, programas e projetos voltados à reestruturação. São as mudanças que as manterão competitivas e vivas.

 

Todos esses fatores nos levam a firmar que as empresas deverão, não apenas buscar novas tecnologias, dominá-las e aumentar seus investimentos em pesquisas e desenvolvimento. Elas terão que aprender a gerir todo processo, desde a decisão sobre a criação, a forma de fazer e como transformá-las em inovação, o que traz consigo uma situação premente: uma grande dificuldade de promover e incrementar as alterações nos processos produtivos.

 

Um dos caminhos para que reduzam essas dificuldades é envolver os funcionários de forma motivadora, fazendo-os se sentirem valorizados e importantes no processo de mudanças. Uma grande aliada para isso é a comunicação interna que deve ser usada como instrumento para anunciar, explicar e preparar as pessoas para esta nova política. Certamente, esta é uma das melhores formas de minimizar qualquer confusão e/ou resistências, a comunicação deve motivar e inspirar todos a se envolverem e participarem dos processos, desde o projeto até a implantação efetiva das mudanças.

 

Entretanto para que seja bem aceita e bem sucedida, contando com um bom nível de engajamento e comprometimento das pessoas envolvidas, direta ou indiretamente, a mudança deve ser vista como um processo coletivo, que envolve novos significados e uma nova cultura organizacional. Qualquer mudança na empresa deve acontecer, em primeiro lugar, nas pessoas. As mudanças se constituem através da comunicação.

 

Como, em geral, a implantação de projetos de inovação se deve aos funcionários, é preciso que todos estejam envolvidos por completo. Deve-se levar em consideração suas ideias e fazer com que elas sejam avaliadas quanto sua viabilidade e se atingirão os resultados esperados pela empresa.

 

David P. Lima Jr. é palestrante, consultor de empresas e diretor da Mega Treinamentos.