Inovar ou não inovar? Eis a questão!

0
0
Para conseguir sobreviver ao atual cenário em que o mundo se encontra de globalização e hiperconectado há um preço a se pagar. Para as empresas, o valor é estarem sempre acompanhando as evoluções do mercado, inovadoras e, ainda, estarem à frente das concorrentes quando se trata de tecnologias. E não há muita escolha: no futuro, e não muito longe de hoje, ou as empresas escolhem pela renovação e mudanças ou elas ficarão obsoletas e perderão espaço no mercado. “Em cinco anos, existirão dois tipos de empresas, as inovadoras e as mortas”, explica Valter Pieracciani, sócio-diretor da Pieracciani Desenvolvimento de Empresas, um dos participantes da XIII edição do Encontro com Presidentes, da ClienteSA.
Enquanto as empresas lidam com um dilema à la Hamlet, na qual se questionam se devem ou não ser inovadoras ou até em que ponto elas devem inovar, o país se encontra em um período em que também está aprendendo a lidar com tantas transformações e que ocorrem de maneira tão rápida. Ainda assim, não se pode negar que inovação é um fator básico para a sobrevivência e crescimento em qualquer mercado e à sociedade. “Em especial no Brasil, no qual as circunstâncias socioeconômicas têm mudado profundamente”, acrescenta Pieracciani.
E, talvez, por conta do país estar iniciando a sua caminhada na preparação para a implementação de novas estratégias e ferramentas, que haja alguns desafios para as empresas lidarem quando estão se preparando para as renovações. “Existem desafios no campo técnico, ou seja, aprender e desenvolver as práticas necessárias para inovação, e no campo comportamental, premiando atitudes de pessoas inovadoras”, complementa o executivo. Sem contar que, junto com tudo aquilo que é novo, vem os riscos ao lado. “O que é preciso é que se aprenda a conviver melhor com a incerteza e os erros”.
Mas, então, já que este é um terreno incerto, como a empresa pode conseguir bons frutos disso? O executivo é direto: é preciso conceber e implantar um conjunto de práticas que carregue uma inovação serial e sustentável na empresa. “Não adianta esperar a inovação sem ter as práticas básicas capazes de gerá-las”. O que quer dizer, não é mesmo um processo fácil, é por esta razão que debate-lo e trocar experiências é uma necessidade essencial para as empresas, assim como faz o Encontro. “Este é um tema estratégico para o país, muito importante debate-la entre os presidentes”, finaliza ele. 
Serviço
Encontro com Presidentes
Quando: 27 de novembro
Onde: Hotel Renaissance (Alameda Santos, 2233 – Cerqueira César, São Paulo – SP)
Horário: das 08h às 15h
Mais informações: http://eventos.clientesa.com.br/137/encontro-com-presidentes-2014/home.aspxt