Intel divulga previsões para 2011

0
0



A Intel divulga algumas de suas previsões para o ano de 2011 relacionadas ao desenvolvimento de novas tecnologias e de novos nichos de mercado. De acordo com a visão da Intel, as tecnologias em 2011 serão mais inteligentes, poderosas e eficientes. Os processadores, tradicionalmente relegados ao computador, continuarão a se expandir para novos mercados, gerando grandes transformações para a vida das pessoas, tanto no âmbito profissional quanto no pessoal.


No Brasil, a Intel espera um ano de resultados expressivos em 2011, em grande parte movido pelo contínuo crescimento das vendas nos mercados de computadores para o uso pessoal e corporativo, e em parte pela chegada de novas classes de dispositivos equipados com tecnologia Intel. Pesquisa recente realizada pela Ipsos a pedido da Intel revelou que 38% dos brasileiros pretendem comprar um novo computador em 2011, fator que irá guiar o crescimento do mercado nacional. As regiões Norte e Sul são as que apresentam maior intenção de compras, com destaque para o Rio Grande do Sul, onde 50% dos entrevistados declarou que pretende comprar um desktop, notebook ou netbook nos próximos 12 meses.


A mesma pesquisa mostrou que o PC continua a ganhar espaço nos lares brasileiros, com 58% dos domicílios equipados com pelo menos um computador. O crescimento do mercado, para a Intel, virá não somente pelo grande número de lares adquirindo seu primeiro computador, mas também por uma tendência de individualização do uso do PC. Em 2011, a Intel espera não só um aumento no número de lares com computadores, mas também mais computadores dentro de um mesmo lar. No Distrito Federal, o índice de individualização do PC já atinge 35,6% das residências.

 

Algumas das previsões da Intel sobre as tendências esperadas para 2011: a TV inteligente será uma realidade, venda de notebooks cresce, tablet mania, a Lei de Moore prospera (inovações e técnicas de manufatura continuarão a desafiar os céticos que dizem que a Lei de Moore está morta. Isso significa que nos próximos anos, enquanto bilhões de novos dispositivos adquirem capacidade de computação e conectividade à Internet, eles terão melhor desempenho com mais características embarcadas no silício, ao mesmo tempo em que reduzirão dramaticamente o consumo de energia e ampliarão a duração da bateria), revolução dos consumidores em relação ao consumo e meio ambiente e ótima previsão para a computação em nuvens e virtualizada.